Plutão, localizado a aproximadamente 6 bilhões de quilômetros de distância do Sol, continua a surpreender os cientistas. Desta vez, a NASA divulgou a informação de que 2 montanhas de Plutão podem ser vulcões que ainda estão ativos, só que ao invés de lava, expelem uma substância congelada.

Distantes mais de 110 quilômetros uma da outra, a montanha mais alta, conhecida como Piccard Mons, possui mais de 5 quilômetros de altura e mais de 160 quilômetros de largura em sua base. A menor, Wright Mons, tem mais de 3 quilômetros de altura e aproximadamente 80 quilômetros de largura ao nível do solo.

A NASA criou um mapa 3D que mostra estes picos elevados, através da combinação de algumas das imagens que a sua missão histórica conhecida como New Horizons tem enviado à Terra, desde julho.

Publicidade
Publicidade

A agência espacial americana só divulgou agora este fato porque as informações que a sonda envia ainda estão chegando aos computadores da NASA bem lentamente, devido à distância e à taxa extremamente baixa de dados que podem ser enviados continuamente.

Oliver White, pesquisador de pós-doutorado da missão New Horizons, no Centro de Pesquisa Ames da NASA em Moffett Field, Califórnia, disse: "Estas são grandes montanhas com um enorme buraco em seus cumes, e na Terra isso geralmente significa uma coisa, um vulcão”.

Embora a aparência destas montanhas seja semelhante à dos vulcões da Terra, que expelem rocha derretida, os vulcões de Plutão expelem uma espécie de “lama gelada”, formada por substâncias como o gelo de água, nitrogênio, amônia e metano.

Geologia ativa pode significar vida

Se a suspeita de que estas montanhas sejam vulcões se confirmar, o fato irá fornecer uma nova e importante pista para a evolução geológica e atmosférica de Plutão, além de ser algo fascinante, já que nunca foi visto no Sistema Solar profundo, como é conhecida a região onde se encontra o planeta.

Publicidade

Além disso, o fato de existirem vulcões que permanecem ativos, pode significar que Plutão, como suspeita a equipe de cientistas da missão, possa ter um oceano líquido em seu interior, o que poderia apoiar as primeiras formas de vida básica neste mundo, como por exemplo, bactérias. #Curiosidades #EUA