O Papa Francisco condenou nessa manhã de domingo, 08, a divulgação de documentos privados do Vaticano, um escândalo conhecido como Vatileaks. O líder da Igreja Católica afirmou que esse novo escândalo não irá desviá-lo do objetivo de continuar fazendo reformas profundas na Santa Sé.

Essas foram as primeiras declarações públicas do Papa desde que, na semana passada, foram detidas duas pessoas suspeitas de terem entregado os documentos a dois jornalistas italianos.

“Quero dizer-vos que este triste acontecimento não irá me distrair nem me fazer desistir das reformas que pretendo terminar com ajuda dos meus conselheiros e com o apoio de todos vocês”, disse o Papa Francisco a algumas dezenas de milhares de fiéis presentes na Praça de São Pedro, durante a bênção desse domingo.

Publicidade
Publicidade

Na semana passada, autoridades do Vaticano prenderam duas pessoas - um alto funcionário da Santa Sé e uma mulher italiana, funcionária de relações públicas - ambos foram acusados de terem entregado os documentos privados aos autores dos dois novos livros que relatam vários episódios financeiros altamente irregulares.

Dois suspeitos faziam parte de uma comissão escolhida pelo próprio Papa e criada para o aconselhar sobre as reformas financeiras e administrativas que ele pretende fazer na Santa Sé. “Roubar esses documentos é um crime, é um ato deplorável e que não nos ajuda em nada”, disse o Papa Francisco, acrescentando que, não é por existir a divulgação dos documentos que as mudanças não serão feitas.

Sobre o estudo que está sendo feito sobre as reformas, Francisco afirmou: “Eu próprio supervisionei o estudo e, tanto eu como meus conselheiros já conhecíamos os documentos e já tomamos medidas para que tais abusos não voltem a acontecer”.

Publicidade

Escândalos divulgados nos livros

Os livros dos jornalistas italianos relatam, entre muitas outras coisas, que grande parte dos fundos recebidos pelo Vaticano é desviada e gasta pela Santa Sé. Segundo os documentos, cerca de 67% do dinheiro arrecadado fica na Cúria.

Outro episódio escandaloso relatado nos livros tem como protagonista o Cardeal Tarcisio Bertone, um dos nomes que eram apontados para suceder Bento XVI. Na época do Papa anterior, o cardeal fez uma viagem de helicóptero que custou 23.000 euros, uma quantia paga por um fundo de crianças doentes.

Qual a sua opinião sobre esse novo escândalo na Santa Sé? Acha que o Papa Francisco vai conseguir fazer as reformas que ele tanto deseja? #Igreja #Religião #Corrupção