Na passada quinta-feira (05), os rebeldes sírios conquistaram uma localidade numa estrada entre Aleppo e Hama, causando um duro golpe ao regime de Assad, uma vez que se trata de uma parte dos, cada vez mais, escassos territórios dominados pelo ditador sírio, também Morek, uma cidade síria, foi conquistada na quinta-feira. Ambas as conquistas surgem um pouco na contra-maré uma vez que os recentes bombardeios russos incidiram sobre posições dominadas pelos rebeldes, alguns deles treinados pela coligação internacional, liderada pelos EUA.

Os bombardeios russos continuam, contudo, os seus alvos parecem ter sido corrigidos. Após os primeiros ataques russos na Síria, que atingiram rebeldes e civis, Putin defendeu que a principal intenção russa era combater o terrorismo mundial, neste caso o Estado Islâmico.

Publicidade
Publicidade

Nesta sexta-feira (06) um bombardeamento russo a Raqqa, uma cidade dominada pelo #Estado Islâmico, causou 42 mortes, 27 destas eram civis. Um #Ataque muito semelhante ao que ocorreu na quinta-feira na cidade de Bukamal que, apesar das baixas sofridas pelo grupo terrorista, causou a morte de 22 civis.

Entre os mais recentes desenvolvimentos na guerra da Síria também deve ser assinalada a recente afirmação da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), confirmando o uso de gás mostarda em Marea, cidade na província de Aleppo (norte), a 21 de Agosto, em confrontos entre grupos rebeldes. Esta declaração confirma pela primeira vez o uso de gás mostrada neste conflito.   

Após 4 anos de #Guerra Civil na Síria, o conflito continua a não ter um fim à vista. O número de intervenientes não para de aumentar, bem como os lados defendidos no confronto.

Publicidade

Entretanto, 11 milhões de sírios encontram-se desalojados, muitos dos quais foram forçados a abandonar o país, causando a recente crise de refugiados na Europa. O número de baixas civis ronda os 250 mil, causados por confrontos entre rebeldes, o Estado Islâmico e as forças de Assad, assim como os bombardeamentos da coligação internacional e, mais recentemente, da Rússia.