O governo grego confirmou na manhã deste domingo, 15, que dois dos terroristas que atacaram a capital da França, Paris, na última sexta-feira, 13, tinham entrado pela Europa pela Grécia com passaportes sírios. Eles conseguiram a permissão de entrar no continente porque se passaram como refugiados da guerra na Síria. Na tarde de hoje a jornalista Carolina Cimenti, da Globo News, fez uma descoberta que pode ajudar a polícia francesa nas investigações do atentado que atingiu o país.

A profissional da mídia encontrou um pedaço de um passaporte sírio queimado. O material que serve como prova seria de um homem-bomba, que matou outras três pessoas na região do Stade de France.

Publicidade
Publicidade

No local, na hora do #Ataque terrorista, acontecia uma partida entre a Alemanha e a França. Cerca de 80 mil pessoas estavam no estádio. Após o fim da partida, muitas delas, com medo, preferiram ir para o gramado, esperando o pior passar. 

A jornalista Carolina Cimenti diz que estava no Stade de France e que acompanhou a perícia da polícia na região. Minutos depois, já com o local liberado, a repórter acabou encontrando o pedaço do passaporte. Aparentemente, o item achado seria da capa do documento de identificação. É possível saber que se tratava de um passaporte da Síria devido a algumas escrituras marcadas no documento. Carolina revelou que procuraria a polícia para entregar o objeto encontrado, para assim, quem sabe, poder ajudar nas investigações do atentado. Até o fechamento desta reportagem, já eram confirmadas 129 mortes e 352 feridos, sendo 99 deles em estado grave.

Publicidade

Os atentados foram assumidos pelo #Estado Islâmico, que pode meio de um comunicado na internet disse que isso é apenas o começo. No início do ano, um jornal satírico francês já havia sido atacado. Naquela oportunidade, os terroristas, também do Estado Islâmico, prometeram um ataque pior em breve, o que aconteceu meses depois. Depois do novo ataque, a França decidiu que irá fechar o cerco contra os terroristas. O país deve receber o apoio dos Estados Unidos na empreitada.  #Terrorismo