O Brasil, fora da Europa, parece ser um dos países mais atrativos para o Estado Islâmico, o maior grupo terrorista do mundo. Tal como informou André Luís Woloszyn, um dos maiores especialistas brasileiros sobre o #Terrorismo mundial, com vários livros publicados sobre o assunto, o Brasil, principalmente para o próximo ano, pode representar um grande interesse para esses terroristas, que apenas pretendem causar o maior impacto possível no mundo. Tanto as Olimpíadas, como o fato de que as autoridades brasileiras nesse momento não estão minimamente preparadas para atentados, como aconteceu em Paris, são razões para que o #Estado Islâmico se interesse pelos brasileiros.

Publicidade
Publicidade

“O Brasil não está nem de perto preparado para o terrorismo, muito menos aquele que vimos em Paris, muito bem organizado. Eu acho sinceramente que o Brasil pode ser um possível alvo do Estado Islâmico, principalmente na altura das Olimpíadas no Rio. Além de  nossa segurança não estar preparada para essas ameaças, porque não temos tradição de combate contra o terrorismo, a venda de armamento no Brasil sem controle é outro motivo para eles atacarem aqui”, revelou André Luís Woloszyn à imprensa internacional, quando questionado sobre as hipóteses do Brasil ser atacado pelo Estado Islâmico.

Porém, apesar das razões para um ataque aos brasileiros serem claras, o Estado Islâmico está, pelo menos nos próximos meses, centrado nos países europeus que estão nesse momento atacando a Síria, um dos locais onde suas centrais se encontram.

Publicidade

Com os mísseis lançados pela Rússia, Estados Unidos e França diariamente, o maior grupo terrorista do mundo quer agora vingar as mortes em seu país, tentando atacar o coração da Europa o máximo de vezes possível, tal como aconteceu na passada sexta-feira, dia 13 de novembro, em Paris.

Com um Europeu de futebol, na França, a se realizar poucos meses antes das nossas Olimpíadas, o que poderá acontecer nesse país, durante o mês de competição, pode revelar muito sobre o que o Estado Islâmico pensa fazer em eventos esportivos de grande escala mundial. Caso o grupo terrorista não consiga atacar novamente França nesse período, a competição brasileira se sentirá naturalmente mais descansada, porém as razões para um ataque em solo nacional, tal como refere o especialista brasileiro em terrorismo, são claras e precisam de ser levadas em conta.