Frente a dura e triste realidade dos atentados terroristas dos últimos dias na França, um gesto de “doçura” foi decidido pelo Ministério de Assuntos Internos da Rússia, o qual resolveu ofertar um presente, no mínimo, muito singelo, cheio de alegria e vida aos colegas da França.

É uma nova cadelinha que poderá substituir a estimada Diesel, uma pastor belga da polícia antiterror francesa que morreu em virtude dos ferimentos provocados em 25/11 na operação sigilosa em um apartamento ocupado por terroristas no bairro de Saint-Denis, subúrbio de Paris.

Elena Alekseeva, representante do Ministério do Interior da Rússia, disse no Instagram que “a cachorrinha será enviada à França como uma demonstração de solidariedade do povo russo para com os franceses e sua polícia, na árdua luta contra o terrorismo".

Publicidade
Publicidade

Diesel morreu com sete anos e pertencia ao grupo de assalto da tropa de elite da polícia da França, a sua morte provocou uma verdadeira comoção nacional nos já abalados cidadãos franceses, originando a campanha na internet de hashtags #JeSuisUnChien (Eu Sou um Cachorro) e #JeSuisChien (Eu Sou Cachorro), propagadas com rapidez através do Twitter.

Segue alguns dos comentários passionais e tristes de internautas recebidos durante a vigência da campanha virtual:

  • "Os cachorros representam pureza e inocência, assim como as crianças e, infelizmente chega alguém para os matar. Descanse em paz, meu herói", escreveu uma usuária do Twitter;
  • "As pessoas não distinguem a diferença entre um cachorro de estimação e um cachorro de assalto. Diesel salvou mais de uma vida, creio eu!", diz outro tuíte;
  • "A pastor belga Diesel poupou inúmeras vidas nesta manhã em Saint-Dénis. Não há dúvidas de que o cão é o melhor amigo do homem", diz outro internauta;
  • "De fato, o cão é o melhor amigo do homem. #JeSuisChien. Descanse em paz", descreve outro tuíte;
  • Os cachorros são heróis, doando as suas vidas pelas nossas", diz outro que estava na net.

Alguns críticos mais severos falam que tudo isto não passa de uma estratégia de marketing por parte do governo da Rússia, que vem sofrendo sanções e embargos dos EUA, da França e outros aliados.

Publicidade

Dizem eles que os russos querem é sensibilizar a opinião pública da enlutada França, pois o animalzinho passará a ter um enorme valor simbólico para os franceses.

Apesar de tudo, não se deve esquecer de que a Rússia também tem o seu luto pessoal com a queda do avião russo na península do Sinai, sem nenhum sobrevivente e com a morte de alguns cidadãos russos no hotel tomado por terroristas no Mali, alguns dias atrás.

De qualquer modo, independente da opinião alheia, o governo russo enviará Dobrynya, uma fofa filhotinha de pastor alemão, que aterrissará brevemente em solo francês e que, assim, possam ser evocados novamente os ideais de “liberdade, igualdade e fraternidade”, não só na França, mas como em todo o mundo, e que a morte de todos os seres vivos, como que em um gesto simbólico, seja abolida de uma vez por todas. #Europa #Ataque #Estado Islâmico