A seleção campeã da Copa do Mundo de 2014 estava no 'Stade de France' participando de um jogo amistoso com a seleção francesa quando os ataques terroristas começaram. Em pânico, e sem saber o que de fato estava acontecendo, torcedores e jogadores correram para se proteger.

Os torcedores invadiram o campo e milhares não tiveram coragem de sair do local com medo do que estava acontecendo do lado de fora do estádio.

Com medo, a seleção alemã passou a noite no estádio. Assim que o presidente francês saiu do estádio, mandou que todas as fronteiras fossem fechadas e pediu que ninguém saísse de casa e que quem estivesse no trabalho, permanecesse nele até que a situação nas ruas de Paris fosse normalizada.

Publicidade
Publicidade

A seleção alemã só se dirigiu para o aeroporto de paris na manhã desse sábado, de onde rumaram para a Alemanha. Oliver Bierhoff explicou que quiseram evitar o risco de algum atentado na saída do estádio e preferiram preservar a vida da equipe técnica e jogadores se abrigando no local. Também informou que os jogadores estavam chocados com o ocorrido e ficaram muito ansiosos, pois as informações que chegavam para eles não era muito clara.

Pânico na França

Muitos moradores ofereceram suas casas para abrigar os transeuntes desesperados que estavam nas ruas. O transporte público foi suspenso, sobretudo, o metrô. Após a meia-noite e sob forte esquema de segurança, dez ônibus foram disponibilizados para retirar os sobreviventes da capital e levar para casa ou um local seguro.

Mais de mil e quinhentos homens do Exército da França estão nas ruas de Paris juntamente com a polícia, que trabalha de forma intensiva com quase 100% da corporação.

Publicidade

Outros países ofereceram apoio à França diante dos ataques, dentre eles: Rússia, EUA, Portugal e Alemanha. Venezuela, Reino Unido e Brasil também se solidarizaram com a situação e repudiaram os ataques terroristas da noite de sexta-feira, 13.

No Brasil, vários monumentos públicos foram iluminados com as cores da bandeira francesa em solidariedade as vítimas. #Terrorismo #Estado Islâmico #Futebol Internacional