O presidente francês, François Hollande, disse neste sábado que o ISIS foi o responsável pela série de ataques mortais de sexta-feira (13) na capital francesa. Ele chamou os ataques coordenados "um ato de guerra." O ISIS assumiu a responsabilidade em um comunicado online. A declaração disse que oito militantes do ISIS, vestindo cintos explosivos e armados com metralhadoras atacaram alvos selecionados precisamente na capital francesa. 

Esse foi o ato terrorista mais violento na #Europa desde o atentado de 2004 em Madri que matou 191 pessoas.

O QUE ACONTECEU

  • Ataques coordenados ocorreram ao longo de Paris na sexta-feira, incluindo um teatro, o Stade de France e pelo menos dois restaurantes.
  • A polícia de Paris disse que o número de mortos foi de pelo menos 128. O porta-voz da prefeitura disse que 180 pessoas ficaram feridas, 99 dos quais em estado crítico. Esse número deve aumentar significativamente, disse o vice-prefeito de Paris, Patrick Klugman.
  • Oito terroristas morreram, sete deles em atentados suicidas.
  • Não se sabe se outros atacantes estão foragidos. A polícia está à procura de quaisquer possíveis ataques ou cúmplices.
  • A imprensa francesa, citando fontes policiais, informou que um passaporte sírio foi encontrado em um dos corpos dos atacantes, e que a verificação está em andamento. A descoberta não significa necessariamente que a pessoa era síria.

 TEATRO BATACLAN

  • Pelo menos 112 pessoas foram mortas no Teatro Bataclan de acordo com o Ministério do Interior francês, embora o promotor de Paris tenha dito que o número era "em torno de 80."
  • A polícia invadiu o teatro em uma operação de resgate. Quatro atacantes foram mortos, três dos quais estavam usando cintos de explosivos.
  • Uma banda de rock dos EUA, os "Eagles of Death Metal", iria tocar no local.
  • Uma testemunha disse à Rádio França que os atacantes entraram disparando rifles e arremessaram uma bomba e gritando "Allah akbar". (Deus é grande).

STADE DE FRANCE

  • Quatro pessoas morreram fora do estádio de esportes em Saint-Denis, subúrbio ao norte de Paris.
  • França e Alemanha jogavam uma partida de futebol.
  • Uma testemunha, Gabriel Haddad, disse à imprensa norte americana que duas explosões foram ouvidas ao fundo durante o jogo.
  • Um corpo desmembrado, condizente com as consequências de uma explosão a partir desse tipo de dispositivo, foi encontrado na cena, disse a fonte.

OUTROS LOCAIS

  • Pelo menos 14 pessoas foram mortas no local do restaurante Le Petit Cambodge, localizado na Rue Bichat no 10º distrito de Paris.
  • Pelo menos 19 pessoas foram mortas fora de um bar chamado La Belle Equipe na Rue de Charonne no 11º no distrito de Paris.
  • Quatro pessoas morreram na Avenue de la Republique, no 10º distrito de Paris.

MEDIDAS DE SEGURANÇA

  • O presidente Hollande disse sexta-feira que o estado de emergência estava sendo posto em prática em Paris.
  • Autoridades francesas reforçaram o controle nas fronteiras para impedir a entrada de potenciais invasores e para capturar qualquer pessoa envolvida nos ataques.
  • As forças de segurança aumentaram em toda a França como parte do estado de emergência em curso.
  • Hollande mobilizou 1.500 tropas militares para se juntaram às forças de segurança implantados atualmente. As tropas vão garantir locais que são "particularmente estratégicos", e vão patrulhar no coração de Paris.

INVESTIGAÇÕES

  • Forças de segurança francesas encontraram passaportes em dois dos oito atacantes. Um dos passaportes era sírio e outro egípcio; há uma forte suposição de que esses passaportes sejam falsos.
  • O passaporte sírio pertencia a uma pessoa que tinha sido processada na ilha grega de Leros, disse o vice-ministro de Proteção ao Cidadão da Grécia, Nikos Toskas em um comunicado no sábado. 
  • Autoridades belgas dizem que um número de detenções foram feitas seguindo as invasões conduzidas em um subúrbio de Bruxelas ligado aos ataques de Paris. Um carro alugado, em Bruxelas, foi encontrado perto de um dos locais dos ataques na França e isto teria desencadeado os ataques.

#Terrorismo #Estado Islâmico