O mundo ainda está estarrecido com os ataques terroristas à Paris nesta sexta-feira(13). Uma casa de espetáculos, o Bataclan, foi um dos alvos durante uma apresentação. A  casa foi invadida por atiradores que saíram metralhando todos que estavam no recinto, pelo que foi informado ao menos cem morreram. Não se sabe o número exato de quantos atiradores eram, mas três terroristas foram mortos durante a invasão da polícia na casa de shows, segundo informações das autoridades.

Após uma reunião com primeiro ministro, Manuel Valls, com o ministro do interior, Bernard Cazeneuve e com o ministro da justiça,Chistiane Taubira, o presidente François Hollande se dirigiu ao local juntamente com as demais autoridades. Dois restaurantes também foram atacados.

Publicidade
Publicidade

Um jogo amistoso que estava acontecendo no Stade de France entre as seleções da França e da Alemanha teve que ser interrompido, pois homens-bomba explodiram seus artefatos ao lado do estádio. Foi calculado pela prefeitura de Paris 18 mortes nestes outros ataques, chegando a pelo menos 118 mortes por enquanto, durante os ataques terroristas,nesta sexta-feira(13) à Paris, capital francesa.

François Hollande, presidente da França, tomou como medidas emergenciais o fechamento de todas as fronteiras do país e teve que cancelar sua presença no G20 que ocorrerá neste final de semana e pediu união e calma à população francesa. A última vez que as autoridades francesas tiveram que decretar estado de emergência em todo o país foi em 1954-1962, durante a guerra da Argélia, dando poder ao governo, com essa medida, de fechar espaços públicos e controlar o tráfego. 

São 1.500 militares tomando conta das ruas de Paris e controle das fronteiras.

Publicidade

Conforme informações da presidência francesa, neste sábado(14), o governo se reunirá com as autoridades para tomar as próximas decisões e medidas para a segurança da população francesa.

Hollande em comunicado a nação fala: " Frente ao terror a França deve ser forte, tem que ser forte. O que os terroristas querem é nos assustar, mas enfrentam uma nação que sabe se defender." desabafa o presidente.  #Terrorismo #Ataque #Estado Islâmico