Um caça militar russo Su-24 foi derrubado em torno de 9:20 desta manhã (24) na fronteira da Turquia com a Síria. O incidente foi considerado por Moscou como "gravíssimo". De acordo com o exército de Ancara, dois F-16 avistaram o avião russo, que violou o espaço aéreo no distrito turco de Yayladag, na província sudeste de Hatay.

O #Ataque ocorreu somente depois que o avião ignorou 10 avisos dentro de cinco minutos, conforme os protocolos internacionais.

O Ministério da Defesa russo confirmou a derrubada do caça, mas nega que o avião tenha invadido o território turco e afirma que o caça foi atingido pela artilharia terrestre.

Publicidade
Publicidade

O avião quando foi atingido estava voando a mais de seis mil metros de altura e caiu em território sírio, perto da cidade de Yamadi, na área de Latakia, lugar onde há alguns dias os caças russos lançaram uma ofensiva junto com o exército sírio de Bashar al Assad contra os rebeldes.

Os dois pilotos a bordo conseguiram sair com os paraquedas, porém, de acordo com as mídias locais e o porta voz dos rebeldes Jahed Ahmad, um deles foi capturado pelas milícias anti-Assad na área turcomena, enquanto o outro já estava morto quando tocou a terra.

O Vídeo

Helicópteros militares russos estão vasculhando a área à procura dos pilotos e dos destroços da aeronave. O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, anunciou que a Turquia se consultará sobre a situação na fronteira turco-síria com a OTAN e as Nações Unidas.

Publicidade

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que a derrubada de um avião militar russo pelas forças armadas de Ancara "terá trágicas consequências nas relações entre a Rússia e a Turquia". De acordo com relatos da mídia local, a Turquia convocou o embaixador russo para Ancara.

Fontes internacionais afirmam que um conselho da OTAN foi convocado para hoje (24) às 17h (ECT). As fontes afirmam que a reunião foi solicitada pela Turquia e que “o objetivo da reunião é informar os aliados sobre o abate de um avião de guerra russo”. A Turquia não invocou o artigo 4 do tratado atlântico, que prevê consultas, caso sejam ameaçadas “a integridade territorial, a independência ou a segurança” de um país. #Terrorismo #Acidente