O mundo ainda está chocado com o massacre que a cidade luz sofreu na última sexta-feira. Governantes de dezenas de países repudiaram os atos que ceifaram, até o momento, a vida de 131 pessoas e feriu mais 350. Poucas horas após a notícia dos atentados, a presidente brasileira Dilma Rousseff mostrou suas condolências à França.

Na reunião do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o tema levantado foi o #Terrorismo, onde todos os governantes presentes repudiaram a carnificina promovida pelo #Estado Islâmico. Os cinco líderes do BRICS reiteraram sua colaboração no que for preciso para na luta contra o terrorismo.

Publicidade
Publicidade

Em plena crise política no Brasil, muitos internautas aproveitaram o pronunciamento de Dilma para criticar o seu governo e a sua postura contra o Estado Islâmico. Vale salientar, que no começo desse ano a ABIN (Agência Brasileira de Inteligência) identificou várias tentativas do Estado Islâmico em recrutar jovens brasileiros para o grupo, sendo que haviam vários interessados.

Na época, a presidente fez um pronunciamento dizendo que a segurança seria reforçada para as Olimpíadas de 2016 e as policias que atuarão no evento estão devidamente treinadas e equipadas contra possíveis ataques terroristas. As mesmas técnicas foram utilizadas na Copa do Mundo. O grupo conta com atiradores de elite, grupo antibomba e efetivo de milhares de agentes das policias federal e estadual, além das forças armadas.

Publicidade

Dilma disse que os ataques sofridos em Paris tornam mais urgente que a comunidade internacional realize uma ação conjunta para combater 'sem tréguas' o terrorismo. O Itamaraty emitiu nota oficial dizendo que todos os líderes do BRICS se uniram para 'defender e fortalecer' a cooperação entre os países que lutam contra o terrorismo.

O Estado Islâmico e a Al-Qaeda - grupo que foi liderado por Bin Laden - já declararam publicamente mais de uma vez que pretendem levar a Shari´a ao mundo e que começariam dominando Paris e depois Roma. Os extremistas almejam recuperar o território de Al-Andalus, que pertenceu aos muçulmanos há séculos atrás. Essa região é onde hoje ficam os países de Portugal, Espanha e França. O EI já anunciou em seus vídeos na internet que em breve estarão em todo o mundo.