Após o massacre de Paris, o mundo mobilizou-e em uma guerra contra o terror. Do outro lado da batalha estão os jihadistas, que declararam guerra à todos os infiéis. Robert Farley, especialista sênior de Kentucky, mostra os perigos dessa e de outras situações.

Primeira razão

O primeiro e maior risco de desencadear a terceira guerra mundial são os constantes conflitos na Síria. Os terroristas do EI são a principal preocupação do mundo na atualidade, o que tem aumentando o número de países que se unem para bombardear os territórios dominados pelos jihadistas. Mesmo com a união de grandes países, como membros do comitê permanente de segurança da ONU: EUA, França, Reino Unido, China e Rússia, a pressão interna dentro da aliança de países pode aumentar, pois há planos distintos para o destino da Síria.

Publicidade
Publicidade

Segunda razão

Os conflitos entre as áreas externas da Síria pode desencadear rapidamente conflitos com a Turquia, Arábia Saudita e Irã. Essa semana a Arábia Saudita criou uma nova coalizão anti #Terrorismo. Além disso, se nesse cenário de terror o relacionamento 'distante' entre Paquistão e Índia piorar e se grupos radicais realizarem ataques à Índia, haverá um revide sangrento entre as duas nações. Nesse caso, os EUA iriam intervir devido seus laços com a Índia e da mesma forma a China defenderia o Paquistão. O governo paquistanês não pensaria duas vezes em usar armas nucleares. Vale ressaltar que fora os grupos apoiados por Islamabad, o Estado Islâmico já anunciou que montou uma base na Índia.

Terceira razão

Essa pode ser uma das mais perigosas, pois envolve Japão e China. Já faz algum tempo que os dois países disputam os territórios das Ilhas Senkaku/Diaoyu, implantando exércitos armados na região para defender o local que ambos se consideram donos.

Publicidade

Como os Estados Unidos possuem um acordo de cooperação e segurança com o Japão, interferiria nos conflitos, o que poderia envolver outros países, bem como a China, em represália, realizaria ataques contra a base militar americana.

Quarta razão

Constantes conflitos no Mar Meridional entre EUA e unidades aéreas e navais da China. Havendo um descontrole entre as nações envolvidas, surgiria uma guerra China x EUA, da qual Japão e Índia entraria no confronto para defender os Estados Unidos, bem como países, inclusive árabes, poderiam auxiliar a China.

Quinta razão

Por fim, a crise na Ucrânia. Embora esse assunto tenha perdida espaço na mídia, a situação não mudou muito com o passar dos anos, de forma que a OTAN pode vir a interferir, o que desencadeará a fúria de Putin. Países em condições 'neutras' entrariam em qualquer das situações de guerra para cumprir com acordos internacionais ou simplesmente criar alianças de cooperação pela paz. #Estado Islâmico #Guerra Civil