Após o massacre de Paris, os terroristas do Estado Islâmico chegaram a declarar em um vídeo que enquanto seu território fosse bombardeado, ninguém mais teria paz nem mesmo para ir ao 'mercado'. Esse medo se tornou ainda mais evidente nos últimos dias, quando autoridades de Bruxelas, bem como da Indonésia, prenderam jihadistas e encontraram indícios de um possível atentado no ano novo.

O medo foi tanto que Yvan Mayeur, presidente da comuna de Bruxelas decidiu cancelar as tradicionais festividades de Ano Novo a fim de manter as pessoas em casa, logo, não haverá a festa já programada e a queima de fogos. A decisão foi difícil para Yvan, uma vez que mais de cinquenta mil pessoas se reúnem para ver a tradicional queima de fogos; assim como ocorre na maioria dos países; mas as ameaças encontradas fizeram com que as autoridades decidissem preservar a vida dos cidadãos e turistas no caso de um eventual #Ataque.

Publicidade
Publicidade

Yvan recebeu um relatório de análise das ameaças e consultou o Ministro do Interior, Jan Jambon, para tomar a difícil, porém necessária decisão.

Ameaças terroristas na Indonésia

Desde a semana do Natal, onze terroristas foram presos na Indonésia, sendo quatro deles assumidamente pertencentes ao #Estado Islâmico. As autoridades policiais de Jacar encontraram livros ensinando o passo a passo para montar bombas, bem como coletes para explosivos e materiais suficientes para montar bombas perigosas.

Os terroristas almejavam realizar ataques terroristas durante as comemorações do ano ano, quando haveria grande aglomeração de pessoas nas ruas. A polícia local havia descoberto um dos locais que seria alvo, mas estava em busca de informações que os levasse aos outros, a fim de estarem atentos durante o período de comemorações de ano novo.

Publicidade

Na Indonésia é ainda mais fácil a infiltração de terroristas, pois o país é de maioria muçulmana, sendo, inclusive, seguidor da Shari´a. Países com muitos muçulmanos estão mais vulneráveis à infiltração de terroristas sem que ninguém note, assim como aconteceu em Paris em novembro. #Terrorismo