O jornal de natureza satírica anunciou esta quarta-feira, dia 30 de dezembro, que tem todo o interesse em lançar uma nova edição especial do famoso jornal Charlie Hebdo para assinalar a data que foi marcante para muitas pessoas, o dia do atentado terrorista ao jornal francês.

Esta edição especial que será lançada tem no total trinta e duas páginas. Foi decidido que esta edição vai conter várias caricaturas de muitos dos cartunistas que morreram no dia do atentado, mas também vai conter caricaturas de vários que ainda trabalham para o jornal francês com o principal objetivo de deixarem uma mensagem de apoio para os colegas que morreram este ano.

Publicidade
Publicidade

A nova edição vai ser publicada já para a semana que vem, no dia 6 de janeiro (quarta-feira) e estima-se que no total esteja nas papelarias e bancas cerca de um milhão de exemplares do jornal. O jornal vai ser publicado na véspera do primeiro aniversário do atentado terrorista.

Em declarações oficias, o jornal satírico francês afirma que já recebeu milhares de reservas desta edição especial que será lançada para a semana. As reservas são principalmente da Alemanha (cerca de cinquenta mil reservas). 

Este ataque terrorista ao jornal Charlie Hebdo aconteceu no dia 7 de janeiro de 2015 quando dois homens entraram para os escritórios principais do jornal. Os dois homens estavam armados e quando entraram na sede do semanário começaram disparando matando no total doze pessoas (incluindo dois agentes da polícia francesa e também parte da equipa do Charlie Hebdo) e ferindo também onze pessoas que se encontravam muito perto do local do atentado.

Publicidade

Este #Ataque terrorista aconteceu logo depois deste jornal ter publicado uma edição em que o principal assunto da edição era as primeiras eleições na Tunísia que acontecera logo depois da destituição do presidente Zine el Abidine Ben Ali. O motivo principal deste atentado está no ódio muito grande pelas caricaturas feitas pelo jornal. Os cartunistas fizeram piadas sobre vários líderes islâmicos provocando a revolta. #Terrorismo #Estado Islâmico