Nesta quarta-feira (23/12) o congresso do Chile estabeleceu a lei que aprova o ensino universitário gratuito em 2016. É um grande avanço para o país, uma reformulação para o ensino superior no atual governo da presidente Michelle Bachelet.

O projeto já poderia estar em vigor, mas houve atrasos por parte do Tribunal Constitucional do país, que considerou haver discriminação em seu conteúdo. Ocorreram dúvidas sobre ter somente universidades públicas chilenas e três privadas.

O ESTABELECIDO

O governo firmou que somente seriam consideradas universidades públicas e gratuitas as que estabelecessem um controle de qualidade. As privadas só poderão ser consideradas gratuitas caso sejam sem fins lucrativos.

Publicidade
Publicidade

OS BENEFICIADOS

Em 2016 com a aprovação da gratuidade 173 mil estudantes serão beneficiados, principalmente os de menor poder aquisitivo. O objetivo do atual governo é o de alcançar todos os estudantes de nível superior até o ano de 2020.A ministra da #Educação Adriana Delpiano disse que o governo pretende seguir em frente nos próximos anos, para poder alcançar mais estudantes.

AS BOLSAS DE ESTUDO

É um passo importante para a educação no Chile a implementação da gratuidade do ensino superior. O governo espera colocar a disposição dos alunos cerca de 140 mil bolsas de estudos, em torno de 1.000 a 1,200 dólares.

Mas o alcance ainda não atingirá os institutos profissionalizantes e os centros de formação técnica. De acordo com o governo, eles terão a gratuidade gradualmente, no espaço de três anos.

Publicidade

É uma reforma que beneficiará os estudantes que pretendem ingressar no ensino superior do Chile, e Bachelet havia prometido fazer essa mudança em sua campanha política à presidência da República. Em 2014, quando a presidente aprovou a "Lei da Inclusão", os colégios públicos do Chile eram administrados pela prefeitura, tendo deixado de o ser após a mesma aprovação.

Atualmente, os estudantes que cursam uma universidade no Chile pagam por seus estudos. As famílias acabam se endividando pelos altos custos gerados com o estudos superiores.