Ao contrário do que a coligação internacional, representada pelo Reino Unido, França, Rússia e Estados Unidos garantem, os bombardeios lançados contra o #Estado Islâmico estão também provocando mortes de muitos inocentes. Segundo revelou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) pelo menos 26 civis teriam morrido por causa dos ataques realizados pelo Ocidente na Síria, incluindo sete crianças e quatro mulheres. O número foi contabilizado depois das forças curdas e os rebeldes árabes conseguirem recolher os corpos, que estavam em posse do Estado Islâmico.

Os ataques tinham como objetivo a localidade de Al-Khan, que é uma zona que está sendo dominada pelo Estado Islâmico, porém eles se encontram nas periferias e é por isso que as vítimas são inocentes, afirmou o diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos, Rami Rahmane, que, segundo o site “Notícias ao Minuto”, tem uma vasta estrutura de recolhimento de informações por toda a Síria.

Publicidade
Publicidade

Além dessas mortes há ainda cerca de 17 corpos desaparecidos nos escombros. Com esses dados novos, as dúvidas acerca dos constantes bombardeios na Síria por parte da coligação estão aumentando, colocando em causa sua real eficácia e se essa é a melhor forma de conseguir derrotar o Estado Islâmico.

Com os Estados Unidos disponíveis para colocarem forças militares em território sírio, os países europeus duvidam se essa é a melhor abordagem para derrotar o maior grupo terrorista do mundo, visto que uma guerra no terreno é um dos principais objetivos do Estado Islâmico, que possui muito armamento pesado. Com suas mãos sujas, EUA, França, Rússia e Reino Unido terão que pensar em diferentes estratégias no combate contra o #Terrorismo, para que consigam evitar ao máximo a morte desnecessária de inocentes, principalmente crianças, que muitas vezes são reféns do Estado Islâmico.

Publicidade

Além da Síria, todos os países europeus também estão tentando ao máximo proteger e garantir a segurança necessária para seus civis, que estão ouvindo quase diariamente novas ameaças do grupo terrorista. #Guerra Civil