O #Estado Islâmico reivindicou a autoria dos atentados realizados na semana passada na Califórnia (#EUA), que matou 14 pessoas. Segundo informa o jornal “Correio da Manhã”, o casal, responsável pelos ataques, era seguidor do Estado Islâmico e até pode ter estado na Arábia Saudita recebendo recrutamento dos terroristas.

O casal, que morreu pouco tempo depois do massacre em uma instituição social na Califórnia, já foi identificado pela polícia americana e agora estão sendo investigadas as ligações do casal com o Estado Islâmico. Para já, tudo indica que o massacre foi uma ação planejada há muito tempo, fazendo as autoridades acreditarem que isso não se tratou de um ataque espontâneo.

Publicidade
Publicidade

Depois de várias ameaças aos Estados Unidos, sobretudo, depois dos atentados em Paris, há cerca de três semanas, o Estado Islâmico parece ter sido responsável pela morte de catorze inocentes em território norte-americano, depois do presidente Obama ter admitido várias vezes que não havia razões para seu povo se preocupar com a presença de terroristas.

Uma agência de notícias que alegadamente apoia o Estado Islâmico veio agora confirmar que os ataques na Califórnia foram cometido por um casal seguidor dos princípios do maior grupo terrorista do mundo. Apesar da revelação, as autoridades norte-americanas continuam investigando todas as possibilidades que motivaram o crime.

Passados poucos dias depois do massacre, a polícia resolveu revelar publicamente novas fotografias do casal responsável por essa atrocidade.

Publicidade

Com as ameaças do Estado Islâmico sendo praticamente diárias, os Estados Unidos, assim como quase todos os países europeus, estão em alerta máximo para possíveis ataques em seus territórios, sobretudo, porque o grupo terrorista já afirmou que nenhum desses países estão a salvo de suas intenções.

Por isso mesmo, as conversações entre os maiores líderes mundiais, para conseguirem novas estratégias contra o #Terrorismo, estão sendo feitas nas últimas semanas, principalmente, entre países como a Rússia, França, Inglaterra e Estados Unidos.