O gigante de buscas Google, foi acusado de roubar dados de crianças em idade escolar, apesar de ter afirmado um compromisso juridicamente vinculativo de não realizar esse tipo de atividade obscura.

A Electronic Frontier Foundation (EFF), que defende a liberdade civil no mundo digital, afirma que o Google retém dados sobre os estudantes através  do uso de seus laptops Chromebook e de aplicativos educativos, que são usados em muitas escolas em todo os EUA e Reino Unido.

A empresa supostamente mantém registros de cada site estudantes visitam, cada termo de pesquisa que eles usam, os resultados que clicar, vídeos que procurar e assistir no YouTube, e suas senhas salvas.

Publicidade
Publicidade

Estas práticas desprovidas de ética ocorrem mesmo com a existência de um documento juridicamente vinculativo, no qual a empresa promete não coletar, usar ou compartilhar informações pessoais dos alunos, exceto quando necessário para fins educacionais legítimos.

O Google inicialmente recusou firmar o compromisso, mas finalmente cedeu à pressão de grupos de defesa em janeiro, em meio a temores de que ele iria usar informações pessoais dos estudantes para fins publicitários.

Embora o Google não use dados dos alunos para publicidade segmentada, EFF descobriu que suas características de sincronização no navegador Chrome está habilitado por padrão em Chromebooks vendidos à escolas, permitindo-lhe controlar a atividade dos usuários. Apesar de prometer publicamente que não, os dados do Google usa dados  para fins próprios da empresa*, disse Nate Cardozo, funcionário da procuradoria da FEP.

Publicidade

Os menores não devem ser rastreados ou usados como cobaias. Se o Google quer usar 'dados' os alunos a fim de melhorar seus serviços,precisa obter o consentimento expresso dos pais.*

Google afirma que irá desativar em breve a configuração em Chromebooks escolares que permite a sincronização de dados pelo Chrome, tais como histórico de navegação, para ser compartilhado com outros serviços do Google.

Nossos serviços permitem que os alunos de todos os lugares possam aprender e manter suas informações privadas e seguras*, disse um porta-voz do Google. Enquanto nós apreciamos o foco da EFF sobre a privacidade do aluno, estamos confiantes de que essas ferramentas em conformidade com a lei e as nossas promessas, incluindo a garantia de privacidade do estudante. *

No entanto, as reivindicações do FEP são tardias ,porque as configurações administrativas que o Google fornece às escolas permitem que a informação pessoal do estudante seja compartilhada com sites de terceiros.

A defesa do consumidor dos EUA foi acionada para investigar a conduta do Google, para que a empresa pare de recolher dados dos alunos, e condená-la a destruir todas as informações recolhidas para fins não educacionais.

A notícia estourou depois de  um  laptop infantil maker VTech sofrer um ataque cibernético devastador, resultando em milhões de imagens de crianças , junto com os nomes e datas de aniversário.

*Em tradução livre. #Comunicação #Internet