Se uma pessoa completa 18 anos, na maioria dos países, torna-se oficialmente adulta, podendo tomar muitas decisões que antes lhe eram proibidas, como por exemplo em questões relacionadas ao sexo, ou coisas “proibidas para menores”.

Quando cidadãos holandeses completam 18 anos de idade e estão aprendendo a dirigir, agora podem, com tudo permitido pelo próprio governo da Holanda, pagar por suas instruções com sexo ao invés de dinheiro, cabendo ao instrutor aceitar a oferta ou não.

A nova lei holandesa, popularmente conhecida como "um passeio para um passeio", foi aprovada pela ministra dos Transportes, Melanie Schultz van Haegen, e pelo ministro da Justiça, Ard van der Steur, que declararam em uma carta, direcionada ao Parlamento holandês: "Não é sobre o oferecimento de atividades sexuais mediante remuneração, mas o oferecimento de uma aula de condução". 

Em outro trecho, eles complementam: "A iniciativa cabe ao instrutor de condução, e centra-se em oferecer uma lição de condução, com o pagamento previsto em atos sexuais.

Publicidade
Publicidade

A prostituição é configurada quando um ato sexual é oferecido em troca de pagamento financeiro". Ao afirmarem este fato, os ministros pretendem esclarecer que, se uma pessoa está oferecendo sexo em troca de uma aula de condução, o ato não é considerado prostituição.

Polêmica

A lei é bem clara no que diz respeito à idade dos alunos, que só podem oferecer sexo aos instrutores se forem maiores de 18 anos, caso contrário, o ato será considerado crime.

Apesar de ser uma opção destinada somente aos maiores de idade, a nova lei está causando muita polêmica no país. Gert-Jan Segers, membro do partido conservador União Cristã, classificou a opção de pagamento como “indesejável”, por isso os ministros enviaram a carta ao parlamento, afirmando que o ato não pode ser classificado como prostituição, ainda que seja considerado “indesejável”.

Publicidade

Mas mesmo que esta forma de pagamento fosse caracterizada como tal, a prostituição é uma profissão legalizada na Holanda desde o ano 2000. No país, pessoas que recebem por relações sexuais são consideradas trabalhadores autônomos. #Europa