No que parecia uma simples disputa familiar em Cavalaire, França, acabou se tornando um tiroteio intenso entre um homem e as autoridades francesas. Segundo informa o jornal “Correio da Manhã”, um dos agentes acabou por não resistir aos ferimentos e morreu na manhã seguinte, dia 8 de novembro.

Durante as últimas 24 horas, a prioridade da segurança francesa foi a de localizar o autor dos disparos. Cerca de 50 agentes estiveram envolvidos em ações de busca durante toda a terça-feira. A polícia conseguiu localizar o suspeito, que acabou cometendo suicídio. 

Depois dos atentados em Paris, que fizeram com que a população francesa questionasse a segurança interna, agora foi a vez de um homem, com a identidade ainda por apurar, que foi capaz de provocar uma vítima mortal nas ruas francesas, tendo disparado contra as autoridades, sem razão aparente, acabando por tirar a vida de um agente francês.

Publicidade
Publicidade

Tudo teria começado quando um dos vizinhos de um apartamento em Cavalaire ligou para as autoridades francesas, por causa de uma intensa discussão familiar, algo que, segundo os vizinhos, já havia acontecido outras vezes com os mesmos protagonistas.

Segundo afirma o jornal “Correio da Manhã”, os agentes, ao chegaram ao local, foram surpreendidos por vários disparos. Rapidamente, o criminoso conseguiu fugir. Pela forma desequilibrada como o homem agiu contra as autoridades, sua liberdade foi logo considerada um perigo para a sociedade francesa, e foi essa a razão para 50 agentes terem se focando em sua localização nas últimas horas.

O Governo francês, chefiado por François Hollande, continua colocando todo seu território nacional em alerta máximo de terrorismo, sobretudo, devido aos grandes riscos de ocorrerem novos atentados terroristas no país, organizados pelo Estado Islâmico

Tudo indica que esse incidente em Cavalaire, que culminou com a morte de um policial, em nada está relacionado com os ataques dos extremistas islâmicos, porém, as autoridades policiais da França permanecem em alerta total.  #Europa #Crime #Casos de polícia