Um engenheiro no aeroporto de Bombaim, na Índia, estava a supervisionar a manobra de um dos aviões da companhia aérea Air India e de repente foi sugado pelo motor do avião que supervisionava. O homem acabou por morrer sem resistir aos ferimentos provocados. O acidente aconteceu na quarta-feira, 16 de dezembro.

O engenheiro que sofreu o acidente foi posteriormente identificado como sendo Ravi Subramanium, de quarenta anos. Ravi Subramanium encontrava-se perto do "nariz" (parte da frente do avião) para supervisionar uma manobra de um avião da companhia aérea Air Índia. O avião encontrava-se a fazer uma manobra de posicionamento para conseguir fazer a descolagem de forma segura. 

De acordo com os dados recolhidos pela empresa de segurança tutelada pelo Ministério do Interior (CISF), o corpo do engenheiro de quarenta anos ficou completamente mutilado.

Publicidade
Publicidade

O funcionário da CISF, que divulgou esta informação, trabalha nos locais mais sensíveis de todo o território, como por exemplo alguns aeroportos e também centrais nucleares. Segundo uma fonte da mesma companhia aérea (Air Índia), ninguém sabe o que realmente aconteceu nem como aconteceu. Foi tudo muito rápido. De repente, todas as pessoas que se encontravam perto do local do acidente ouviram que o técnico tinha sido sugado pelo motor do avião enquanto supervisionava manobras complicadas do avião que se preparava para descolar. 

Um funcionário da empresa de transporte aéreo explicou que no momento em que um avião se encontra a ser empurrado para trás estando o motor já ligado, o motor só trabalha cerca de 10% de todo o seu impulso, sendo o máximo 35%. Este funcionário acrescentou que todos os técnicos sabem ou deviam saber que a parte da frente dos motores deve estar sempre "limpa".

Publicidade

Já foi confirmado por um trabalhador da empresa aérea que a unidade auxiliar de potência do avião (fornece a energia para os motores) não se encontrava em funcionamento na altura do acidente e desta forma o processo de arranque do motor foi alterado. 

A Direção Geral de Aviação, organismo público indiano, vai iniciar uma investigação às causas do acidentes. Apesar dos contornos de mistério quanto à alteração do processo de arranque, o caso vai ser tratado como morte acidental. #Curiosidades #Casos de polícia