Os incêndios aconteceram em um local onde os #Refugiados encontram-se concentrados nas suas pensões provisórias em Heidenau na Saxônia. Foram contabilizados no total doze pessoas feridas incluindo sete jovens nos dois incêndios que atingiram duas pensões de refugiados no sul da Alemanha.

O presidente alemão, Joachim Gauck, já aproveitou para dizer que quaisquer incêndio criminoso ou ataques violentos contra pessoas que não tenham como se defender merecem o respeito de todos e devem ser sempre punidos para que não se voltem a se repetir futuramente. Na sua mensagem de Natal o presidente alemão aproveitou para falar dos refugiados e imigrantes que têm chegado à Alemanha este ano. O presidente acrescentou ainda na sua mensagem de Natal que a população alemã mostrou ser capaz de conseguir ultrapassar, com muito profissionalismo e boa intenção, essa crise de refugiados e imigrantes que a Europa tem apresentado nestes últimos tempos.

Publicidade
Publicidade

O semanário "Die Zeit" fez um estudo em que contabilizou no total 222 ataques violentos contra pensões de refugiados na Alemanha e a maior parte desses ataques ainda não foram resolvido. Dos 222 ataques, 93 foram fogos postos contra pensões de refugiados e imigrantes. O semanário acrescentou ainda que estes 222 ataques deram origem a 104 feridos no total. Os incêndios aconteceram na maioria das vezes à noite em pensões que se situam longe dos centros das cidades e das áreas residenciais, para dificultar a existência de testemunhas.   

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e também a Organização Internacional das Migrações (OIM) o número total de refugiados e imigrantes que conseguiu entrar na União Europeia este ano atingiu o número de 1.005.504 refugiados. 

De acordo com os dados recolhidos pelo jornal "Público", a maior parte dos refugiados que têm como destino final a Alemanha passa um longo período de tempo na Baviera, inicialmente.

Publicidade

De todos os refugiados e imigrantes que conseguem chegar à Alemanha, cerca de 40% vêm principalmente da Albânia e do Kosovo. Dos restantes, a maior parte vem da Síria, tentando fugir dos conflitos e guerras em que a Síria tem estado nestes últimos tempos. Estes refugiados partem da Síria com o principal objetivo de encontrarem uma vida melhor para toda sua família longe dos conflitos e perto da paz que o continente europeu apresenta e oferece. #Crise migratória