O site Vocatic, que divulga notícias da ‘Deep Web’, publicou uma reportagem em que afirma que o ISIS está planejando ataques bomba através de aves. Para isso, eles prenderiam uma bomba com peso suportável para a ave, e a treinariam para que ela voe em direção a aeronaves alvo.

A reportagem diz ainda que a bomba a ser utilizada seria semelhante a que derrubou um avião russo no monte Sinai, Egito, em 31 de outubro deste ano.

As aves selecionadas para estes ataques seriam: o abutre e o falcão peregrino, sugere o membro do ISIS. O que eles devem levar em consideração para o plano é: altura do voo e peso.

Diz a reportagem: “É um plano detalhado sobre como atingir a campanha aérea da coalizão liderada pelos Estados Unidos no Iraque.

Publicidade
Publicidade

O manual oferece sugestões sobre quais pássaros e explosivos funcionariam melhor, e como contrabandeá-los a uma zona de guerra”.

Estratégias semelhantes a esta do DAESH (ou ISIS), foram adotadas por militantes na Faixa de Gaza, durante o período da Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945) os Estados Unidos também utilizaram animais para bombardeios.

Formas de ataques do ISIS

A principal forma de #Ataque do ISIS é terrestre. Depois dos ataques em Paris, os países aliados França, Rússia e agora Inglaterra, intensificaram os ataques aéreos, mas até o momento não conseguiram diminuir nem controlar o crescimento significativo do domínio do grupo.

Vale destacar que a fonte de renda do grupo é gigante. Eles conseguem dinheiro com: tráfico de petróleo, saques a bancos, impostos sobre moradores de cidades tomadas, multas de trânsitos, contas de fornecedoras de água e eletricidade e multas por fumar ou usar roupas, na opinião deles, inadequadas.

Publicidade

E há quem afirme, por exemplo, que existem países que financiam o ISIS, direta ou indiretamente.

Segundo o tesoureiro oficial dos EUA, Adam Szubin “o ISIS obteve mais de US$ 500 milhões de dólares no mercado negro de petróleo e sacou entre US$ 0,5 bi e US$ 1 bi de valores capturados no Iraque e Síria”. Os Estados Unidos estudam como evitar a fonte de renda da organização. #Terrorismo #Estado Islâmico