A indicação de Dani Dayan para embaixador de #Israel para o Brasil foi em agosto de 2015, feita pelo primeiro ministro Benjamin Netanyahu.Dany Dayan é de origem argentina e naturalizado israelense sendo considerado homem importante frente às questões dos assentamentos Judeus em Jerusalém Oriental e Cisjordânia região onde vive representando cerca de 500 mil colonos na área de conflito.Assim como grande parte da comunidade internacional o Brasil também se opõe a esses assentamentos, considerando-os ilegais, seguindo a posição da ONU.

O governo israelense se manifestará nos próximos dias sobre o impasse e pretende tomar medidas de represálias pela decisão do Brasil, de postergar por tanto tempo a aprovação do nome de Dany Dayan para o cargo por tempo indeterminado, o impasse de conceder ao novo embaixador o agrément já dura quatro meses.

Publicidade
Publicidade

Os motivos do impasse.

Dany Dayan teve seu nome postergado por acusações de ter se envolvido em crimes militares, ele é um dos ex-presidentes do Conselho Yesha (entre 2007 e 2013) mais atuantes nas questões de demarcação de áreas na Jerusalém Oriental e na Cisjordânia, que foram ocupadas desde a guerra de 1967. Dayan também serviu no Exército Israelense por sete anos e saiu como major, Dany é contra a idéia da criação de um estado Palestino, vale lembrar que no auge dos últimos conflitos entre o Hamas e Israel, "Yigal Palmor, o assessor de imprensa do governo de Israel, fez menção ao Brasil como um "anão diplomático", declaração que valeu muita polêmica no governo brasileiro que se sentiu diminuído em seus posicionamentos nas questões dos conflitos na região, o mal estar teve início quando o Ministério das Relações Exteriores fez o anuncio designando Dayan "publicamente" antes de fazer comunicação oficial ao governo brasileiro.

Publicidade

Porem numa aparente tentativa de amenizar uma possível #Crise diplomática o Ministério das Relações Exteriores em nota, na data da indicação de Dany a embaixada no Brasil, declarou que Israel quer "desenvolver os laços comerciais com mercados internacionais na América do Sul, especialmente o Brasil, que tem uma população crescente de mais de 40 milhões de cristãos pró-Israel".

Em busca de uma solução diplomática o embaixador designado, anunciou que haverá uma reunião para discussão do assunto com governo, com a presença do próprio premiê, e ele espera que sejam dados passos no sentido de amenizar e até resolver o impasse diplomático, em entrevista Dany Dayan declara,

"Nesse debate, será apresentado um leque de medidas. Espero que, desse leque, sejam escolhidos passos significativos, há até um mês, havia uma avaliação em Jerusalém de que o assunto seria resolvido e o melhor a fazer era manter o silêncio, essa avaliação mudou".

Celso Amorim apesar de ser a favor da intensificação de relações comerciais com Israel, em entrevista foi taxativo e declarou "Está na hora de as Forças Armadas brasileiras reduzirem sua dependência de Israel", e enfático, deixando clara sua posição afirma:

"Aceitar como embaixador uma pessoa que foi líder de políticas de assentamentos em Israel seria uma aceitação tácita dessa política, à qual o Brasil se opõe. Não é possível aprovar esse embaixador"

Amorim diz que Dany representa uma "política rejeitada pelo Brasil" e que a indicação do novo embaixador foi apresentada ao Brasil como um fato consumado. #Dilma Rousseff