O ano de 2015 ainda não terminou, mas já bateu vários recordes. Esse ano eclodiu a maior #Crise migratória desde a segunda guerra mundial e para a surpresa e susto de muita gente, a ACNUR - Agência da ONU para #Refugiados - divulgou um relatório assustador em que informa que já pode ter sido ultrapassado os 60 milhões o número de refugiados no mundo.

Em um ano marcado por guerras civis e aumento do número de combatentes de grupos terroristas que alastram o medo pelo Oriente Médio e alguns países da África, milhões de pessoas deixaram suas casas para trás em busca de um lugar mais tranquilo para se viver. O que mais assusta no relatório divulgado pela agência é que com os conflitos e atrocidades que ocorrem na Síria, a tendência é que os números de refugiados e imigrantes no mundo permaneçam elevados.

Publicidade
Publicidade

Segundo o relatório, que recebeu o nome de Mid-Year Trends 2015, o número de pessoas que se deslocaram internamente para fugir de uma tragédia em diferentes partes do mundo também subiu para 34 milhões. Os dados divulgados pela Acnur são do período de janeiro a junho de 2015, o que faz com que a agência, antes mesmo de ter dados oficiais do segundo semestre do ano, acredite que os números reais podem ser ainda mais alarmantes e assustadores. Desde 1992, o número de refugiados no mundo não atingia vinte milhões.

A crise migratória é tão grande que não é difícil andar por metrópoles brasileiras e ver famílias refugiadas caminhando com suas vestimentas característica de cada cultura. O mesmo vale para outros países. Em Portugal, Alemanha e Turquia, eles são vistos no decorrer de matérias jornalisticas diversas pelas ruas e até aparecem como 'pano de fundo' de vídeos de blogueiros e Youtubers que publicam materiais diversos em seus canais.

Publicidade

Nem todos os refugiados abandonam suas casas em busca de paz e sossego, muitos deles são forçados a sair às presas sem levar quase nada na viagem. Parte destes morrem durante o percurso, pois atravessam desertos a pé, bem como superlotam barcos atravessando o mar para chegar na Europa.

O Alto Comissário da ACNUR, António Guterres, disse que nunca o mundo precisou tanto da solidariedade e compreensão humana diante dessa difícil realidade. #Estado Islâmico