Um pastor canadense, detido na Coréia do Norte há 10 meses, foi condenado à prisão perpétua nesta quarta (16).

O reverendo Hyeon Soo Lim foi considerado culpado de atividades anti-governamentais e de espalhar propaganda falsa, segundo a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

"A Suprema Corte anunciou que Lim era culpado de se unir aos Estados Unidos e à Coréia do Sul para manchar a imagem do país junto aos seus habitantes locais".

Sua punição: trabalho forçado para o resto da vida, disse a agência.

Lim, de 60 anos, é ministro e presbítero da igreja Luz da Coréia que tem cerca de 3000 membros em Toronto, no Canadá. Ele é cidadão canadense que emigrou para Coréia do Sul em 1986.

Publicidade
Publicidade

No início deste ano (janeiro), ele viajou para a Coréia do Norte, saindo da China em uma viagem humanitária de rotina e foi detido em fevereiro. Lim já visitou o país mais de 100 vezes. "É este tremendo amor para com o povo norte coreano que motivou o Sr. Lim a viajar várias vezes para o país”, disse um porta-voz da família.

Nesta viagem, ele planejava ajudar os projetos estabelecidos por sua igreja na cidade nordestina de Rajin, incluindo um orfanato, uma creche e um lar de idosos.

Confissão forçada

A Coréia do Norte disse que os motivos da prisão do Pastor foram outros.

Em julho, Lim foi forçado a dar uma entrevista coletiva no qual leu uma declaração, confessando que fazia parte de uma conspiração que tinha a intenção de derrubar o governo norte-coreano, segundo a agência de notícias estatal do país KCNA.

Publicidade

Veja o depoimento feito por Lim.

"O meu objetivo principal ao viajar por várias partes do país, sob o pretexto de auxílio a população, na verdade era outra, a de construir uma base para derrubar o sistema do país e criar um estado religioso, aproveitando-se das políticas dos EUA e de autoridades sul-coreanas". A carta do depoimento foi entregue em uma sala cheia de jornalistas na capital da Coréia do Norte, Pyongyang.

O governo mais fechado do mundo manipula sua população privando de qualquer contato com notícias exteriores, deixando-os leigos aos fatos mundiais. Com isso fica mais fácil para o ditador norte coreano Kim Jong-un impor sua soberania.

  #Religião #Comportamento