Pelo menos 46 pessoas morreram e vários outros cidadãos foram feito reféns nesta quarta-feira, 09, em um cerco talibã no Afeganistão, num aeroporto que abriga instalações da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Combatentes do Talibã começaram a atacar o bem fortificado Aeroporto Internacional de Kandahar ontem à noite, mas o #Ataque havia sido em grande parte contido, segundo declaração de um oficial sênior local.

A cidade contém um aeroporto civil e uma grande base militar, que abriga milhares de tropas da OTAN, empreiteiros civis e forças militares afegãs. O Talibã foi recebido com forte resistência na base, mas não foram encontradas pessoas norte-americanas envolvidas nos combates. 

"A operação está indo muito devagar, como os talibãs tomaram seis reféns, incluindo duas mulheres e duas crianças, temos que agir com cautela", disse Dawood Shah Wafadar, comandante do corpo do exército Atal 205, no sul do Afeganistão.

Publicidade
Publicidade

Wafadar acrescentou que nove membros do Talibã foram mortos por conta de uma força de assalto de 14 membros. Segundo informações do Canal de Notícias BBC, o Ministério da Defesa do Afeganistão disse que 37 civis e membros das forças de segurança também foram mortos nos ataques

Um porta-voz da missão de apoio resoluto da OTAN disse que não houve relatos de vítimas entre os funcionários internacionais na base. Autoridades dizem que todos os voos de ida e volta em Kandahar foram cancelados. 

Segundo um comunicado do Talibã, os homens-bomba estavam armados com armas leves e pesadas. Eles entraram na base e atacaram soldados afegãos e da OTAN. Autoridades de segurança declararam ao "Wall Street Journal" que os terroristas estavam vestidos com uniformes militares e conseguiram assumir uma série de edifícios no aeroporto, disparando foguetes contra a pista. 

A BBC informou que o último ataque veio na véspera da visita do presidente afegão, Ashraf Ghani, ao Paquistão, para uma conferência regional, onde é esperado para discutir as negociações de paz com os talibãs.

Publicidade

#Terrorismo #Crime