A notícia está chocando a comunidade portuguesa, que não entende como colocam um homem em liberdade para que este volte a cometer o mesmo crime. A Polícia Judiciária de Braga, em Portugal, anunciou nesta terça-feira, dia 15, ter detido o homem que teria estuprado e abusado de uma mulher nesta cidade, no último verão.

O homem teria acabado de sair da cadeia, onde cumpriu uma pena também por crimes sexuais. A polícia não revelou ainda quais serão as primeiras medidas de coação que irão aplicar a esse homem, de 43 anos, mas se presume que o mesmo deverá ficar preso, aguardando pelo julgamento em Tribunal. Ele é suspeito por ter obrigado a mesma mulher a manter relações sexuais com ele, consumando os crimes de abuso e de estupro.

Publicidade
Publicidade

O acusado teria ameaçado a vítima de agressão física se ela não fizesse tudo como ele estava mandando. O crime teria acontecido pela madrugada. De acordo com a informação da Polícia Judiciária, esse homem teria, alegadamente, atacado a vítima no mês de julho e teria repetido os crimes no mês seguinte, em agosto, com contornos semelhantes de ação. O suspeito teria conseguido encontrar a mulher novamente e voltou a exercer os mesmos abusos. 

Referenciado desde essa data, os policiais anunciaram agora sua detenção, deixando a cidade de Braga mais descansada. 

No comunicado da Polícia, foi informado que o homem já tinha cumprido pena pelos mesmos crimes e, após a saída, voltou a exercer os mesmos abusos, sendo detido somente quatro meses após as novas práticas. O homem vai agora ficar aguardando por julgamento e a polícia vai continuar investigando esse caso. 

Este é o segundo caso em pouco tempo, no mesmo distrito do norte de Portugal.

Publicidade

No final de novembro, a polícia tinha encontrado um outro homem, também suspeito por estuprar e tentativa de assaltar e matar uma moça de 22 anos. Nesse caso, o agressor teria conhecido a vítima através do Facebook e acabou marcando encontro com ela, no qual teria cometido todos estes crimes. Ele também está ainda aguardando por julgamento em tribunal.  #Justiça #Europa #Casos de polícia