Após uma árdua travessia pelo mar à bordo de um barco lotado e em condições muito precárias, o refugiado senegalense Ngagne pôde, enfim, sorrir por ganhar um prêmio de quase R$2 milhões na loteria espanhola. 

Ngagne vivia o desespero de um amanhã incerto, pois tinha acabado de perder seu trabalho como apanhador de vegetais e lhe restavam apenas mais cinco euros no bolso (aproximadamente R$21). Quando soube que ganhou quatrocentos mil euros na loteria espanhola, expressou um misto de incredulidade com alegria. O prêmio total é de cerca de seiscentos e trinta mil euros, mas Ngagne participou de um bolão na cidade de Roquetas de Mar, na Espanha e por isso não ficou com todo o prêmio.

Publicidade
Publicidade

Após o anúncio nos meios de comunicação, logo a imprensa quis entrevistar o ganhador do prêmio. O senegalense aproveitou a sua entrevista para agradecer as autoridades da marinha que o resgataram do mar quando tentava entrar na Europa com mais sessenta e cinco pessoas no mesmo barco. Quando chegou ao país, em 2007, ainda não existia a #Crise migratória que assombra a Europa nos dias atuais. Ele veio com sua esposa e não possuía nenhum dinheiro ou lugar para morar.

Uma marroquina de dezoito anos participou do bolão e também levou uma fatia gorda do prêmio para a casa. Segundo a jovem Imanes Naamane, o prêmio mudará para sempre a vida dela e de sua família. 

Uma Europa africana

Países da África sempre viveram em situação precária, o que serve de motivação para que muitos cidadãos desse continente tentem a sorte em outros países do mundo, sobretudo os da Europa.

Publicidade

Entretanto, com a crise migratória atual, sírios e africanos lideram o ranking de pedidos de refúgio em todo o mundo.

Na Europa, aproxima-se de um milhão de refugiados só no ano de 2015, mas organizações acreditam que esse número seja ainda maior, já que nem todos eles estão registrados como #Refugiados e alguns, que possuem um pouco de dinheiro, optam em adentrar o país por vias legais e não pedem a condição de refúgio ao chegar no país, espalhando-se por cidades interioranas e recomeçando a vida do zero. #Natal