Os #Refugiados de uma pequena aldeia do norte da Itália (na província de Pavia) têm vindo a protestar porque a rede  Wi-Fi nesta aldeia tem estado bloqueada nestes últimos dias. Os refugiados queixam-se que assim não conseguem comunicar com todos os seus familiares mas também amigos que se encontram a viver no continente africano.

As manifestações e protestos destes migrantes começaram na semana passada porque os refugiados decidiram bloquear todas as ruas principais desta província italiana para verem se conseguiam mudar algumas medidas que têm sido tomadas. Estes migrantes decidiram bloquear as principais ruas para tentarem causar o máximo de danos com o objetivo de realmente conseguirem o que desejam.

Publicidade
Publicidade

Por outro lado, os refugiados ao verem que não estavam a causar o impacto que desejavam, decidiram espalhar o máximo de lixo por todas as ruas que haviam bloqueado anteriormente. Desta forma, estas ruas ficaram um caos pelos estragos causados por estes migrantes. 

Desde então as autoridades locais têm tentado ao máximo minimizar todos os possíveis danos dos refugiados e procurar soluções para o problema em causa.

Outra razão do descontentamento dos migrantes é a falta de limpeza do local onde estão habitando. Os refugiados pediram às autoridades italianas uma empregada doméstica provisoriamente para lhes limpar a casa. Esta foi outra das razões de descontentamento que levaram os migrantes a espalharem lixo e provocarem o caos nos principais acessos da província onde se encontram a provisoriamente até ser tomada outra medida sobre o assunto em questão. 

Os refugiados têm recebido várias regalias de vários países deixando muitas vezes a população descontente.

Publicidade

Muitas são as pessoas que afirmam que os refugiados têm melhores condições de vida que as pessoas que já habitam o país à vários anos. Por exemplo, em Portugal os refugiados não precisam de pagar os custos associados à Universidade. Uma das universidades portuguesas já garantiu em comunicado oficial que os migrantes não são obrigados a pagar os seus estudos