Laura Croix tem 31 anos e o seu nome na lista dos sobreviventes dos atentados de Paris, de 13 de novembro, na mais bela história de superação de todo esse horror. Laura foi uma das vítimas mas sua força de vontade fez com que ela sobrevivesse e superasse todos os prognósticos dos médicos, que chamam ela de "milagre". Quando chegou no hospital, a mulher tinha três tiros no peito e três no abdômen, e uma das balas ficou a centímetros do coração. Anca, braço e dedos quebrados e estava inconsciente. 

Quatro semanas após, surpreendeu quando acordou do coma e agora é notícia porque está finalmente livre de perigo e sua vida foi salva, após dias de internamento e luta árdua dos médicos, que nunca desistiram dela.

Publicidade
Publicidade

Laura já se comunica com a família e amigos mas ainda vai demorar até deixar o hospital, em Paris, e pode ficar mais um ano internada, até se recuperar. Uma recuperação que poderia não ser total, mas o irmão Sébastien Croix contou para o jornal Sunday Times que acredita que voltará a ver sua irmã em cima de um palco, cantando. 

Laura é cantora mas estava do outro lado do palco na noite da tragédia, mas dentro de uma mais carismáticas salas de espetáculo francesas, o Bataclan. Assistia ao show da banda americana Eagles Of Death Metal, quando os terroristas entraram e começaram disparando suas armas, contra todos. 

Mais de um mês depois dos atentados que chocaram Paris e o mundo, Laura faz parte da lista de 352 feridos que sobreviveram, em uns atentados em que morreram 130 pessoas

"A primeira coisa que ela quis saber foi o que tinha acontecido", revelou o irmão Sébastien Croix, dizendo que Laura tinha várias memórias da noite do atentado.

Publicidade

Após acordar do coma, a mulher se recordava de ter pesadelos com tiros, pessoas mortas, sangue e gritos. "Ela sabia que muitas pessoas tinham morrido e está sempre fazendo perguntas sobre essa noite", contou o irmão para o Sunday Times. 

Desses atentados saíram mais oito mortos, os atiradores, e a França e a Bélgica continuam perseguindo por suspeitos dessa noite de tragédia que caiu sobre Paris. Os atentados foram reivindicados pelo Estado Islâmico. #Terrorismo #Estado Islâmico #Violência