Nascido em Estraburgo, Foued Mohamed Aggad, de 23, foi um dos jihadistas que participaram do massacre ocorrido em 13 de novembro de 2015 na França, tirando a vida de mais de 130 pessoas.

Conforme as investigações, Foued esteve na Síria em 2013 com seu irmão e alguns amigos, permanecendo no local por um período de 4 meses. Segundo informações do jornal "Le Parisien", em maio do ano seguinte, dois haviam morrido e sete deles já estavam presos, entre eles seu irmão, com denúncias de possuir vínculos com o #Terrorismo.

O homem responsável pelo "alistamento" desses e diversos outros jihadistas franceses se chama Murad Farès. Seu trabalho é muito forte nas redes sociais e recruta jovens dispostos a participarem de atos terroristas, coordenados pelo EI (#Estado Islâmico), que já domina grande parte da Síria e Iraque.

Publicidade
Publicidade

Foram contabilizados sete homens-bomba no massacre na França, porém, apenas 3 deles foram identificados. Além de Foued Mohamed Aggad, Samy Amimour, de 28 anos, estava morando em Drancy e Ismail Omar Mostefai, de 29 anos, morador de Chartres, localizada a sudoeste da bela Paris.

LUTA CONTRA O TERRORISMO

A batalha contra os atos terroristas que vem acontecendo com cada vez mais frequência pelo mundo está a todo vapor. Após esse #Ataque contra a França, aconteceram mais alguns casos, que alertaram outras nações como Rússia, Bélgica e Estados Unidos.

O alvo principal é conhecido como Salah Abdeslam, rapaz que participou dos ataques em Paris e está foragido. O irmão de Salah foi um dos homens-bomba que explodiu, matando dezenas de pessoas.

No domingo, dia 6 de dezembro, o presidente Barack Obama se pronunciou, após o ataque terrorista à Califórnia que matou 14 pessoas, afirmando que destruirão o grupo conhecido como "Estado Islâmico" e não irão poupar esforços para isso.

Publicidade

Também disse que esses terroristas não falam pelo Islã, mas que são assassinos desenfreados que precisam ser combatidos. Obama deixou claro que não estava ordenando uma guerra entre o Islã e os EUA, mas que a guerra é contra a cultura da morte.