O povo francês ainda vive dias de terror. Desde os atentados que atingiram Paris, que deixaram mortos em pelo menos seis regiões, os franceses vivem o dia a dia tumultuado pelo #Terrorismo. Na manhã deste domingo, 20, por exemplo, um avião da Air France que ia das Ilhas Maurício para Paris precisou fazer um pouso de emergência da África. O pouso no Quênia aconteceu depois que uma suposta bomba foi encontrada dentro da aeronave. O pacote suspeito assustou os passageiros e também os comissários de bordo. De acordo com informações do G1, as informações sobre o pouco de emergência foram confirmadas pela polícia queniana e também pela agência France Presse. 

Uma autoridade do Quênia, o ministro Joseph Nkaissery, conversou com jornalistas em uma coletiva que aconteceu no Aeroporto Internacional Moi, em Monbasa.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o ministro, o Quênia está ajudando as Ilhas Maurício e também a França nas investigações para descobrir quem teria colocado o tal pacote suspeito no avião. 

Depois que a aeronave posou no país da África, os passageiros estão passando por interrogatórios. Todos eles precisaram das informações do que aconteceu antes e durante o voo. O ministro, no entanto, não quis dizer se as pessoas estavam detidas. A autoridade queniana mostrou-se preocupada com a forma como foi feito o procedimento de segurança nas Ilhas Maurício e disse que estava conversando com o aeroporto de onde o avião da Air France partiu.

O voo AF 463 tinha 14 tripulantes e transportava outros 459 passageiros. A viagem tinha previsão para acabar às 2h50 da madrugada deste domingo no horário de Brasília. O avião saiu às 21h do dia anterior da costa africana.

Publicidade

Não há previsão para que a viagem seja restabelecida. Assim que o avião posou, todos os passageiros seguiram procedimentos de segurança para deixar a aeronave. Em seguida, ela precisou ser vistoriada, seguindo um protocolo de vistoria e segurança internacional. Para sair do avião foram utilizados escorregadores de emergência. A Air France disse que a atitude foi uma medida de precaução.  #Crime