As relações entre Rússia e Estados Unidos nunca foram das melhores. Na verdade, os dois países se limitaram a ter relações de conveniência quando necessário, mas por muito pouco começam a conflitar. Pouco mais de um mês após acusar os Estados Unidos de criar o Estado Islâmico, Rússia volta a ficar, explicitamente, do lado oposto dos #EUA e possibilidades de uma nova guerra fria aumentam.

A Rússia tem realizado ataques aéreos à territórios dominados pelo Estado Islâmico na Síria, entretanto, o governo russo é aliado ao governo sírio de Assad, que por sua vez é acusado internacionalmente de promover o genocídio de seu próprio povo.

Publicidade
Publicidade

A coalizão russa em parceria com o governo Assad, também conta com o Iraque, o Irã e o grupo islâmico - xiita - libanês Hezbollah, que os Estados Unidos consideram terroristas.

Do outro lado da batalha estão os Estados Unidos, em uma coalização que conta com Turquia, França, Reino Unido, Arábia Saudita e a França, todos unidos para derrubar o governo de Assad, além de derrotar o Estado Islâmico. Da mesma forma que ambas nações querem o fim do Estado Islâmico, a coalizão de Obama quer também acabar com Assad e se insistir, seus aliados se voltarão contra os opositores e vice versa, gerando perigo, uma vez que a Rússia tem o maior exército do mundo, além de, depois de Israel, ser o país que mais investe em tecnologia de armas pesadas de uso militar.

Antes do início dos bombardeios contra a Síria, o governo russo já havia exigido que os Estados Unidos ficassem longe do 'espaço aéreo sírio', mas Obama não deu ouvidos à exigência de #Vladimir Putin e não só realizou bombardeios, como os têm realizado com frequência.

Publicidade

John Kerry, secretário de Estado dos EUA, disse que os terroristas do Estado Islâmico não podem ser derrotados enquanto Bashar al-Assad permanecer no poder na Síria. Essa falta de unidade e diálogo entre os envolvidos na destruição do ISIS foi o responsável pelo incidente grave que ocorreu em 24 de novembro, quando a Turquia derrubou um caça russo na fronteira da Síria.

A Turquia é um dos países que querem derrubar o governo de Assad. O abate ao caça russo fez com que Putin os acusasse de serem cúmplices dos jihadistas e assinou um decreto com diversas sanções à Turquia e aos cidadãos turcos que moram na Rússia. Para piorar essa situação, a OTAN manifestou apoio à Turquia diante da Rússia.

Atualmente, a Rússia possui os mais sofisticados misseis e armamentos. Há poucos dias foi anunciado o término da construção do 'avião do juízo final', que se trata de uma aeronave capaz de permanecer em combate mesmo em situações de guerras com bombardeios diversos, bem como na ocorrência de catástrofes naturais. A aeronave já está sob poder das forças armadas russas e o governo está trabalhando para criar uma outra aeronave ainda mais potente. #Terrorismo