Denise e Jennifer foram duas das meninas baleadas no massacre que aconteceu na quarta-feira (2), nos Estados Unidos da América. No total, foram mortas 14 pessoas, mas essas garotas fazem parte de uma outra lista: de 21 pessoas feridas no atentado. Após tomarem tiros, ainda conseguiram pegar seus celulares e contatarem seus entes mais queridos, julgando ser a última vez que trocariam palavras. Viveram um pesadelo, mas sobreviveram e estão se recuperando no hospital. 

Elas trabalhavam nesse centro californiano atacado, o Inland Regional Center, que apoiava pessoas com doenças mentais. Na manhã em que faziam sua festa de Natal, seu mundo pareceu ruir quando um casal entrou atirando contra todos eles.

Publicidade
Publicidade

A polícia conseguiu matar os atiradores. 

Responsáveis pelo massacre deixam bebê

Syed Rizwan Farook, de 28 de idade, e Tashfeen Malik, de 27, são os autores de um dos atentados desse ano. E sim, eles têm mesmo ligação com o Estado Islâmico. Ele nasceu nos Estados Unidos mas se converteu como muçulmano radicalizado. Ela, sua esposa, era paquistanesa, e teriam se conhecido na Arábia Saudita, para viajou no ano passado. Com cinco mil balas e doze granadas, eles atiraram contra todo mundo, em um ataque planejado, e que só parou, quando os policiais de São Bernardino os acertaram.

Para trás, deixaram sua bebê de seis meses que já teria nascido em solo americano. 

'Só quero dizer que te amo'

Denise Peraza tem 27 anos e Jennifer Stephens 22, e estavam as duas na linha de fogo do casal de atacantes.

Publicidade

Caídas no chão, tiveramo instinto de se despedirem de suas famílias. Jennifer, com um tiro no abdômen, telefonou para sua mãe e deixou recado no voicemail: "Mãe, estou no trabalho e fui atingida".

Denise ligou para sua irmã, em pânico. ''Só quero dizer que te amo", disse em uma mensagem emocionante. Em declarações para a CBS, Denise Peraza fez um relato brutal do ataque, dizendo que os terroristas mandaram todos os reféns se deitarem no chão e começaram a disparar suas armas. Pararam para recarregar e voltaram a disparar. E foi nesse momento em que Denise tentou se esconder sob uma mesa e foi atingida nas costas, mas continuou deitada até os policiais a tirarem de lá. 

Tanto Denise como Jennifer se encontram em cuidados intensivos, mas com prognósticos de recuperação estabilizados. #Terrorismo #Estado Islâmico #EUA