Com a crise econômica e política que assola o Brasil, muitos brasileiros pensam em deixar o país e emigrar para outros países. Estados Unidos e União Europeia são os lugares mais procurados pelo povo brasileiro, e Portugal é um dos favoritos nesse momento de mudança devido às semelhanças linguísticas e culturais. Sabemos que mudar de país é uma opção muito delicada e que envolve vários aspectos da vida pessoal e profissional, por isso é imprescindível realizar uma pesquisa sobre o país que desejaríamos nos mudar antes da tomada de qualquer decisão.

Em tempos em que muitos brasileiros pensam em deixar o país, Portugal acabou se tornando um dos países preferidos pelos brasileiros com vontade de emigrar, pois a adaptação acaba se tornando mais fácil na “terrinha” devido às inúmeras semelhanças entre nós e os nossos mais próximos irmãos europeus - os portugueses.

Publicidade
Publicidade

Porém, muitos dos que querem refazer suas vidas em Portugal, não querem abandonar suas profissões, por conta disso, antes de pensar em mudar é necessário que estejamos atentos sobre quais são os processos necessários para podermos exercer nossas profissões em outros países.

Essa matéria do Blasting News é especial aos profissionais do direito: é possível um advogado formado no Brasil atuar em Portugal? Pois bem, desde o ano de 2004 os advogados formados no Brasil podem exercer sua profissão de maneira legal em terras portuguesas devido ao regime de reciprocidade entre ambos os países. Porém, primeiramente os advogados provenientes das terras tupiniquins devem obter o seu registro da Ordem de Advogados de Portugal. E como um advogado brasileiro se registra na Ordem de Portugal? Bom, há duas formas, confira.

Publicidade

É necessário que o advogado brasileiro possua residência em Portugal para dar entrada no seu pedido do registro junto a Ordem Portuguesa. A segunda opção (dedicada aos profissionais que ainda não possuírem residência legal em Portugal) é feita através de um advogado português que deve se responsabilizar pelo advogado brasileiro, nessa opção o português registra o imigrante como residente em seu local de trabalho e se responsabiliza pelo mesmo.

Segundo informações do site da Conjur (Consultor Jurídico), o advogado brasileiro, que está registrado na Ordem Portuguesa pode, por exemplo, trabalhar normalmente na Itália, e claro, desde que o profissional fale italiano com fluência, pois sem se comunicar não há maneiras de se estabelecer como advogado na Itália - e em outros países de idiomas diferentes do português. #Europa #Crise no Brasil