Uma situação macabra assustou funcionários da Air France nessa segunda-feira, 11. O corpo de um homem foi encontrado no trem de pouso de uma aeronave que fez a rota de São Paulo até Paris no último sábado. O corpo estava no local desde a aterrissagem.

Ainda não se sabe como o homem foi parar naquele lugar. Há suspeitas de que o mesmo tentou viajar clandestinamente, bem como não se descarta a hipótese de homicídio. Entretanto, o que mais intriga a Air France é como um homem conseguiu adentrar o trem de pouso, ou ser colocado lá dentro, sem que nenhum funcionário da empresa ou aeroporto conseguisse ver.

O cadáver encontrado no B777 foi levado pela AFP para o Instituto Médico Legal da França, a fim de identificar o homem.

Publicidade
Publicidade

O trecho que o avião faz, São Paulo - Paris, dura cerca de onze horas e durante a viagem, segundo informaram os oficiais do aeroporto de Orly, a temperatura no trem de pouso pode chegar à 40 graus negativos, além de que uma pessoa transportada no local pode morrer esmagada tanto na decolagem, quanto na aterrissagem.

Além de todos esses fatores, o oxigênio no trem de pouso é bem escasso o que torna quase impossível alguém sobreviver à uma viagem de onze horas. Em 2014 houve um caso raro e que nunca pode ser explicado por especialistas, de um jovem que decidiu fugir de casa e se escondeu em um trem de pouso nos Estados Unidos, sobrevivendo à uma viagem de mais de cinco horas de duração.

A Air France não divulgou em qual voo o corpo estava, mas sabe-se que a empresa possui dois voos que saem de São Paulo rumo Paris nas sextas-feiras.

Publicidade

O caso será investigado pela polícia francesa destinada a resolver assuntos relacionados aos transportes aéreos. Ainda não houve comunicado oficial sobre o caso e acredita-se que a Air France se pronuncie após os resultados do exames feitos no homem.

Há cerca de um mês houve um alarme falso de bomba em um avião da TAM que tinha saído da Espanha com destino ao Brasil. Na ocasião, o voo que já estava rumando para São Paulo há duas horas teve de voltar para Madri às presas. #Acidente #Investigação Criminal #Casos de polícia