O americano Richard Kalecki é apontado como o principal suspeito do assassinato de Alessandra de Moraes Emiliano, brasileira de 37 anos e ex-mulher do suspeito. Alessandra foi morta dentro de uma loja em Schererville, cidade do estado de Indiana, nos Estados Unidos da América.

Alessandra morreu no dia 2 de janeiro, na loja em que trabalhava, quando o americano foi até seu encontro e efetuou disparos contra ela, de acordo com a informação do jornal "Chicago Tribune". Após as buscas sobre o paradeiro do americano, no dia 3 de janeiro ele foi encontrado com um tiro na cabeça no cemitério da cidade de Calumet, que é vizinha à cidade onde a brasileira foi assassinada.

Publicidade
Publicidade

A polícia americana vem trabalhando com a hipótese de #Crime passional e #Violência doméstica, além de ter atribuído a morte do americano como suicídio. Richard e Alessandra eram casados e se divorciaram em 2012, quando o americano foi acusado de ter abusado sexualmente de um menor de idade, segundo a Justiça americana.

O chefe de polícia da cidade de Schererville lamentou o triste ocorrido, afirmou que trabalhou próximo a família de Alessandra e ofereceu condolências. Em entrevista a jornais americanos, amigos da vítima relataram que Alessandra tem uma filha de 18 anos que estava prestes a se casar; alguns disseram "Ela era uma pessoa feliz, mesmo contudo que vinha acontecendo", "ela amava a todos" disse Ana Murta, amiga de Alessandra. 

Horas antes de ser assassinada por Richard, Alessandra alterou a foto do perfil de sua rede social para uma em que ela aparece sorrindo (a mesma que ilustra o artigo), vestindo uma roupa vermelha e vibrante.

Publicidade

Quando morava no Brasil, Alessandra era moradora de Duque de Caxias, Baixada Fluminense do Estado do Rio de Janeiro. Na internet existe uma campanha com a finalidade de arrecadar fundos para trazer o corpo da brasileira de volta e entregá-lo a sua família.

O americano assassinou a vítima com dois tiros pelas costas, no início da manhã de sábado quando Alessandra estava abrindo a loja na qual trabalhava. #EUA