Era noite desta sexta-feira, 22, no horário de Brasília, quando a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood anunciou que vai mudar as regras do Oscar. O anúncio veio depois da premiação ser chamada de preconceituosa. Diversos artistas anunciaram que não irão ao evento, como Will Smith. A polêmica sobre um possível racismo da academia começou no dia do anúncio dos indicados ao Oscar. A premiação acontecerá no próximo dia 28 de fevereiro. Pelo segundo ano consecutivo, atores, atrizes e diretores negros sequer foram indicados ao prêmio, mesmo em categorias onde os artistas eram os favoritos. Apesar do anúncio das mudanças terem sido comemorados por entidades de todo o mundo que trabalham para a inclusão de determinados nichos na sociedade, as alterações não vão valer para a premiação deste ano. 

De acordo com um comunicado enviado à imprensa mundial, as mudanças devem acontecer progressivamente até o ano de 2020.

Publicidade
Publicidade

A votação da academia pelas alterações teria sido unânime. A ideia é tornar o juri que escolhe os indicados e vencedores do Oscar o mais diferentes possíveis, tendo perfis de todas etnias, por exemplo. Além disso, o número de mulheres juradas deve dobrar até o ano determinado. 

Agora o juri terá latinos, negros, homossexuais e outras minorias. A presidente do Oscar, Cheryl Boone Isaacs, declarou que não dá mais para esperar a indústria do cinema tomar as providências e decidiu que a academia deveria retomar o atraso. Para a seleção das novas pessoas que vão escolher os melhores do cinema, a equipe do Oscar pretende fazer uma campanha em todo o mundo. Cada jurado deve ficar no máximo 10 anos no cargo. Este visto só será renovado, caso a pessoa continue ativa na indústria do cinema. Caso fiquem 30 anos aptos a votarem, os membros ganham o chamado voto vitalício.

Publicidade

O direito vitalício também passará a valer para quem foi indicado ou premiado no Oscar. 

Atualmente, os membros da academia somam mais de cinco mil pessoas. A partir desse ano, os jurados se submeterão às novas regras.  #Crime #EUA #É Manchete!