Na quinta-feira (31), duas jovens foram encontradas estranguladas em um apartamento incendiado na cidade japonesa de Handa, na região de Aichi. Uma das jovens era a brasileira de 27 anos, Akemy Matuyama, que viva com os dois filhos, nascida em Campo Grande, na cidade de Mato Grosso do Sul. Há suspeitas de que o outro corpo pertença a irmã de Akemy, Michelle Maruyama, de 29 anos.

De acordo com a imprensa japonesa, os bombeiros receberam uma chamada para o local na quinta-feira (31) para acabar com um incêndio, porém, avistaram os corpos carbonizados e com sinais de estrangulamento, aparentemente ocorrido um dia antes. A brasileira foi encontrada deitada de bruços em sua cama, e a segunda mulher estaria caída no chão de um outro quarto.

Publicidade
Publicidade

Um galão de gasolina de aproximadamente cinco litros foi encontrado na cozinha do apartamento. Um vizinho afirmou que o fogo começou logo no início da madrugada.

De acordo com a mídia japonesa, uma autópsia revelou que as duas mulheres foram sufocadas até a morte na última quarta-feira (no horário de Japão).

A jovem, Akemi, deixou duas filhas, de cinco e três anos de idade, sendo que ela estava no país há cerca de 10 anos. As crianças foram encontradas a salvo. A mãe da vítima, Maria Amarilha Scardin, está tentando trazer as netas para o Brasil, porém, as crianças estão atualmente em um abrigo.

Em entrevista, a avó das crianças conta, “elas têm que ficar comigo, eu sou avó delas, eu sou a mãe da mãe delas, e elas não têm mais ninguém. Eu quero dar amor, carinho. Elas são pequenas ainda, dá para moldar uma educação”.

Publicidade

A mãe da vítima, Maria Amarilha, afirma que a filha foi casada com o suspeito, um peruano, durante seis anos, porém, o casal estava separado há três meses. Maria contou que o ex-marido fazia ameaças a filha, porém, ela não acreditava, achava que ele jamais seria capaz de matá-la. O ex-marido está preso, e a polícia acredita que, o autor do #Crime jogou combustível no apartamento, e ateou fogo para eliminar os vestígios do crime.

  #Casos de polícia