Seu nome é Edgard Raoul, um advogado de São Paulo que é especializado em Direitos Humanos. Vendo que esta é a pior #Crise migratória desde a segunda guerra mundial, Edgard deixou sua casa na terra da garoa e partiu para um mundo bem diferente do seu.

O advogado viveu como refugiado por vinte e seis dias, enfrentando a fome e o frio que todas aquelas pessoas enfrentavam. Também ajudou no que podia e passou por oito países diferentes, sempre em meio aos #Refugiados.

Sua aventura foi pela Alemanha, Turquia, Macedônia, Eslovênia, Croácia, Áustria, Sérvia e Grécia. Como profissional e ser humano curioso, Edgard quis saber como países ricos estavam lidando com a pior crise migratória da história e não encontrou forma melhor de fazê-lo do que entender o problema pela visão de um refugiado.

Publicidade
Publicidade

Antes de começar sua aventura, o advogado foi para Nova York, onde aprendeu como lidar com os refugiados e então começou atuando como voluntário na Grécia e na Turquia. Em seguida seguiu uma longa rota até a Alemanha como refugiado de guerra em meio a várias pessoas.

Raoul também serviu de mediador entre refugiados e autoridades policiais. Ele tentava amenizar a situação quando policiais ficavam agressivos, conversando com eles e dizendo que os refugiados não tinham culpa de estarem ali e que era possível tornar aquela difícil situação mais amena. Já aos refugiados, Edgard esclarecia que os policiais estavam apenas cumprindo ordens e que suas ações não eram de caráter pessoal.

Os refugiados descobriram que Edgard era brasileiro e ficaram felizes, citando nomes de jogadores de futebol. Mas durante o trajeto até a Alemanha, muitos ficavam desconfiados, pois não conseguiam entender o que um brasileiro fazia em meio aos refugiados em um lugar tão distante do Brasil.

Publicidade

Com paciência, eles foram o aceitando melhor.

Agora Edgard vai encarar uma nova etapa em sua missão de ajudar e entender os refugiados: vai para o Oriente Médio. A primeira parada será na Jordânia, mas também pretende passar pelo Iraque, Síria, Líbano e Afeganistão, a fim de entender a situação de onde os refugiados partem.

Em suas viagens, o advogado concluiu que a Alemanha e a Grécia são os locais que melhor recebem os refugiados, já na Sérvia e Macedônia eles não tem proteção, o que facilita a exploração por mafiosos. Além disso, são explorados também pelos comerciantes. O advogado chegou a pagar dez euros por uma maça que deu à uma criança.

As informações foram dadas pelo próprio advogado em uma entrevista ao Sputinik. #Europa