A capital da Bélgica, Bruxelas, divulgou que apoia que qualquer refugiado ou imigrante tenha o direito de escolher o país onde deseja pedir asilo, acabando desta forma com a regra que está em vigor, de que os refugiados são colocados no primeiro país de entrada da União Europeia (UE).

Sendo assim, toda a Comissão Europeia pretende mudar o sistema que se encontra em vigor neste momento, relativamente à crise de #Refugiados que se tem verificado. As regras atuais afirmam que os refugiados ou imigrantes não têm qualquer direito de escolher o país onde pretendem pedir asilo. De acordo com as regras atuais, estas pessoas são imediatamente mandadas para o primeiro país de entrada na União Europeia.

Publicidade
Publicidade

Sendo assim, quando for confirmada a mudança deste sistema, os refugiados terão o direito de escolher o país onde desejam pedir residência.

A Comissão Europeia já tinha anunciado durante o ano passado, em 2015, que este ano iria efetuar uma análise mais detalhada do sistema que encaminhava estas pessoas, para tentar apresentar algumas alterações no mês de março. Esta notícia foi então adiantada nesta quarta-feira, 20, pelo jornal britânico Financial Times, que conseguiu se comunicar com vários responsáveis europeus que se encontram a cargo dos regulamentos atuais de Dublin (estes regulamentos decidem todas as regras de como funciona o sistema de asilo na União Europeia).

Esta estimativa de mudança também está agora sendo mais analisada porque já há muito tempo se verifica uma grande tensão entre os países do sul do continente europeu e os países do norte.

Publicidade

A Grécia é atualmente um dos países que recebe quase todas as chegadas dos refugiados e imigrantes que pretendem entrar o mais rapidamente possível na União Europeia. Se o regulamento de Dublin atual fosse completamente cumprido, a Grécia e a Itália seriam os dois países responsáveis por mais de um milhão de refugiados e imigrantes que já conseguiram atravessar o mar Mediterrâneo durante o ano passado. Já no início de 2016, mais de 31 mil pessoas conseguiram atravessar este mar que possui muitos obstáculos à passagem muitas vezes sem condições destas pessoas.  #Europa #Crise migratória