O jornal satírico de origem francesa Charlie Hebdo publicou numa das suas edições uma charge que já é alvo de muitas críticas, principalmente da Rainha da Jordânia. O jornal Charlie Hebdo decidiu divulgar uma charge em que estava visível Aylan Kurdi (a criança que morreu afogada e apareceu perto de uma praia da costa da Turquia; a foto desta criança foi marcante para todo o mundo) e a Rainha da Jordânia não gostou deste trabalho feito pelo cartunista profissional do jornal francês.

No desenho consegue-se ver um homem já adulto que apresenta um olhar um pouco alucinado ou até mesmo perverso e encontra-se tentando perseguir uma mulher.

Publicidade
Publicidade

Aparece em cima deste homem a frase "O que seria de Aylan Kurdi se conseguisse crescer?". O principal objetivo desta charge foi claramente de fazer referência aos vários ataques sexistas que têm acontecido em Colônia, na Alemanha. Estes ataques verificaram-se em maior quantidade principalmente na noite de Ano Novo, quando centenas de mulheres foram vítimas de ataques a nível sexual feitos por vários grupos de homens que as autoridades locais já identificaram como sendo de origem norte-africana e árabe. 

O próprio pai da criança que morreu afogada já divulgou a sua opinião sobre esta atitude do jornal satírico francês referindo que, para ele, esta atitude é completamente desumana e também imoral. O pai de Aylan Kurdi ficou bastante chateado com esta situação criada pelo jornal de origem francesa.

Publicidade

A Rainha da Jordânia foi outra das pessoas que tanto criticaram o trabalho do jornal. A Rainha Rania decidiu publicar e divulgar nas suas contas do Twitter e também do Facebook um outro desenho feito pelo cartunista profissional Osama Hajjaj em que se consegue ver desta vez a criança, Aylan Kurdi, primeiramente a brincar, depois a ir para a escola e finalmente Aylan é representado como adulto trabalhando como médico. Este outro desenho foi publicado com a mesma frase que o jornal francês divulgou: "O que seria de Aylan Kurdi se conseguisse crescer?".  #Comunicação #Estado Islâmico #Internet