O jornal satírico francês mais uma vez causa polêmica nas redes sociais, agora foi sua nova charge sugerindo que o garotinho de apenas 3 anos Alan Kurdi poderia vir a ser um agressor sexual quando se tornasse adulto.Tudo por causa de denuncias feitas pelos alemães contra os imigrantes.

O desenho traz a assinatura do cartunista Laurent Sourissean e ganhou o título de migrantes mostra mulheres fugindo apavoradas de dois homens depravados.

Parece que agora o Charlie Hebdo se deu mal. A repercussão na internet foi bastante negativa, internautas revoltados com a caricatura mandavam a todo momento mensagens de repudio.

A foto caricata do menino afogado na praia quando tentava chegar à Europa aparece ao lado da pergunta que revoltou os internautas: "O que o pequeno Alan seria se ele se tornasse adulto?" E sem remorsos acrescenta: "Apalpador de bundas".

Publicidade
Publicidade

A publicação saiu no semanário desta quarta-feira (13), poucos dias depois do primeiro aniversário do atentado terrorista sofrido pelo jornal. Os leitores repudiaram totalmente a sátira e acusam a redação do jornal de generalizar a situação dos #Refugiados, mostrando como se eles todos fossem criminosos. Com isso cresce o racismo e a xenofobia contra os imigrantes.

Kavita Krishnan publicou em seu Twitter: "sinto vergonha dos racistas do Charlie, comparar estupro e raça é vergonhoso"

"E aí, somos todos Charlie?" Twitou o usuário José Antonio Lima, referindo-se ao slogan do jornal Je suis Charlie (em português Eu sou Charlie) tão repetido no ano passado, mas que agora gera uma certa dúvida.

Os refugiados

As imagens do corpo do pequeno Alan Kurdi mostrado em uma praia na Turquia logo após a embarcação que ele estava com a família ter naufragado a caminho da Grécia girou o mundo.

Publicidade

Essa imagem do garotinho morto comoveu e estarreceu o mundo, atraindo a atenção de todos para a #Crise dos imigrantes no mediterrâneo.

Na tentativa de minimizar tanto sofrimento, alguns países europeus, como a Alemanha, deram uma relaxada nas políticas de asilo, mesmo sofrendo pressão de grupos ultranacionalistas que vêem os estrangeiros como ameaça a vida cultural e econômica do país. #Violência