A Síria foi alvo de ajuda por parte da Unicef durante esta semana, com o principal objetivo de ajudar muitas crianças que se encontram morrendo de fome. Durante a semana em que a Unicef esteve em Madaya, um adolescente acabou morrendo de fome porque não conseguiu ser ajudado a tempo.

A Unicef construiu um #Hospital provisório em Madaya para ajudar essas crianças. Nesse hospital trabalhavam apenas dois médicos que não tinham condições nenhumas para isso, uma vez que a pobreza e a fome é tanta e além disso, esses médicos não tinham todos os materiais que necessitavam para ajudar. A Unicef encontrou 28 crianças em estado muito grave de subnutrição e também dois adolescentes que estavam completamente esqueléticos.

Publicidade
Publicidade

Um destes jovens esqueléticos não conseguiu sobreviver porque o seu corpo já estava realmente muito fraco devido ao nível elevado de subnutrição.

Os testemunhos dos níveis elevados de subnutrição de muitas crianças em Madaya foram ouvidos logo depois de muitos caminhões terem entrado na cidade, que se situa a apenas 40 quilómetros de Damasco, e terem percebido como estava a situação de fome naquela cidade. Estes caminhões chegaram lá devido a um acordo que está estabelecido com o regime sírio, que consegue manter a cidade controlada pelos rebeldes.

Antes desta ajuda por parte da Unicef, tanto a ONU como também muitos representantes da Cruz Vermelha tinham garantido que o estado de subnutrição no local não tinha qualquer comparação com qualquer outro lugar da Síria. No entanto, alguns representantes da Unicef e também da #Organização Mundial de Saúde (OMS) decidiram ir até lá para perceberem realmente o que estava acontecendo no lugar.

Publicidade

Esses representantes acompanharam então um grupo de caminhões que tinha como destino Madaya e confirmaram quando lá chegaram que realmente o nível de subnutrição das crianças é bastante grave e que as mesmas necessitavam de ajuda o mais rapidamente possível, dando desta forma, razão aos testemunhos que a ONU e a Cruz Vermelha anteriormente ignoraram.  #Crise