Mais de cem mulheres apresentaram queixa por roubos violentos e agressão sexual, na cidade de Colônia, na Alemanha. De acordo com o que a polícia conseguiu apurar, os ataques aconteceram por grupos de trinta ou mais homens, durante as celebrações do Reveillon. Além das detenções de alguns suspeitos, também os testemunhos das vítimas identificaram os agressores como árabes e norte-africanos. Uma onda de #Violência que está assustando a Alemanha e gerando uma onda de contestação contra as políticas da chanceller alemã Angela Merkel. 

Ataques organizados

A polícia alemã recebeu mais de cem queixas por violência e agressões sexuais e as vítimas e a população estão começando a culpar os #Refugiados, que o país está tentando ajudar pela guerra com o Estado Islâmico.

Publicidade
Publicidade

Para muitas pessoas, os agressores, identificados como sendo árabes e norte-africanos, poderiam ter entrado no país como refugiados. Uma informação que nem a polícia nem o governo alemão confirmaram ainda. 

Para já, poderiam ser dois mil os implicados nesses ataques, que estariam organizados em grupos. Com fogos de artifício acabaram gerando algumas distrações, para roubarem e agredirem mulheres. Uma delas, Jenny, foi mesmo atacada com um engenho explosivo, que a deixou queimada. As marcas vão ficar, mas não só as da pele. Jenny está aterrorizada, como muitas mulheres, que estão sendo aconselhadas a não sair sozinhas no final do dia para lugares públicos. 

Uma outra vítima, Michelle, contou que estava com amigas quando notou a presença de um grupo de vinte ou 30 homens cercando elas. Empurraram-as, deitaram-as no chão e aproveitaram para roubar alguns objetos e dinheiro.

Publicidade

Outras vítimas contam que os homens as agrediram sexualmente, "tocando-lhes entre as pernas", em sinal intimidatório e de distração das vítimas.

Os ataques se espalharam, de forma aparentemente organizada, por toda a cidade. 

Angela Merkel contestada

A chanceler alemã está sendo culpabilizada por esses ataques, após permitir a entrada de um milhão de refugiados em 2015, muitos deles fugindo da guerra na Síria. 

A polícia de Dusseldorf está colaborando na investigação e já anunciaram ter identificado mais de dois mil suspeitos de origem norte-africana, relacionados em crimes de roubo organizado desde o início de 2014. 

O Carnaval poderá trazer um novo foco de violência organizado na Alemanha e o país já está temendo o pior.  #Europa