Mascherano foi condenado a um ano de prisão e mais uma multa de 850 mil euros por fraudes fiscal espanhol. Segundo garante a imprensa espanhola, o defesa do Barcelona não conseguiu evitar a sua condenação, mesmo depois de ter confessado em tribunal a culpa pelos crimes. Para que o jogador não fique na prisão durante um ano, que poderia fazer com que sua carreira esportiva terminasse, os advogados do atleta estão tentando convencer o tribunal espanhol para substituir a pena por uma multa pecuniária.

Vários jogadores que jogam ou jogaram na Liga Espanhola, incluindo Messi e Xabi Alonso, enfrentam fortes acusações do Estado espanhol por supostas fraudes fiscais e o primeiro que foi a tribunal, Mascherano, foi formalmente condenado a um ano de prisão por ter desviado mais de um milhão de euros do fisco espanhol, envolvendo esquemas de engenharia fiscal.

Publicidade
Publicidade

Mascherano conseguiu que seus rendimentos obtidos com o patrocínio da Nike não fossem alvo de tributação por parte do Estado espanhol ao desviar esse dinheiro primeiro para Miami e depois para a Madeira, um arquipélago pertencente a Portugal. Mesmo depois de ter confessado todos seus crimes, Mascherano não viu suas acusações perdoadas tendo, depois do julgamento, sido condenado a um ano prisão, uma pena histórica envolvendo um grande jogador do futebol mundial, como garantiu hoje, dia 21, a imprensa espanhola.

Assim, apenas os advogados do atleta podem conseguir com que Mascherano evite ser efectivamente preso durante esse período de tempo. As negociações para o pagamento de um montante adicional para evitar a cadeia estão em cima da mesa, porém não se sabe até que ponto essa hipótese é viável e vai ser atendida pelo Estado espanhol.

Publicidade

Caso se confirme a ida de Mascherano para a prisão, seu contrato atual com o Barcelona pode muito bem ser rescindido por justa causa, algo que significar o fim da sua brilhante e longa carreira, assombrada pelos fantasmas das fraudes fiscais, exatamente as mesmas acusações que Messi vai enfrentar em junho de 2016 no tribunal de Barcelona. #Justiça #Europa #Investigação Criminal