Iria se realizar no Haiti a segunda volta das eleições presidenciais neste domingo, dia 24. Porém, a situação de #Violência obrigou a seu adiamento. De acordo com as declarações prestadas pelo presidente da comissão eleitoral, Pierre Louis Opont, ainda não existe uma nova data marcada.

A divulgação de que estas eleições seriam adiadas para uma data ainda não conhecida foi feita na sexta-feira, dia 22. Esta notícia provocou ainda mais manifestações, mas desta vez de contentamento, por parte de todas aquelas pessoas que defendiam que não se deveria realizar porque pensam que iria piorar o estado do país. A oposição decidiu promover durante toda a última semana várias ações de desobediência civil que transformaram por completo todas as ruas da capital, Port-au-Prince.

Publicidade
Publicidade

De acordo com os dados recolhidos pela Reuters, ouviram-se vários disparos durante a semana toda por parte das autoridades locais, com o principal objetivo de tentar acalmar todas as pessoas que se encontravam em manifestação. Todas as autoridades locais pensam que este adiamento das eleições presidenciais no Haiti poderá baixar todo o clima de tensão e confronto que se tem verificado no país, onde habitam atualmente mais de 10 milhões de pessoas. 

O Haiti, neste momento, encontra-se praticamente todo em ruínas, porque ainda não conseguiu reconstruir muitos locais que foram completamente destruídos pelo grande terramoto que aconteceu já há seis anos e que matou pelo menos mais de 300 mil pessoas. Os conflitos em todo o país têm sido cada vez maiores e mais perigosos; o Haiti neste momento encontra-se muito empobrecido e está completamente afetado por uma crise a nível institucional.

Publicidade

Recorde-se que o Brasil tem nesse momento, operando no Haiti, uma força de manutenção de paz de cerca de 1000 militares, dos três ramos das Forças Armadas, prosseguindo um esforço que já vem desde 2004.

Alguns analistas divulgaram nestes últimos tempos que estas eleições não iriam ajudar em nada o estado do país, mas sim aumentar os níveis de tensão em todos os habitantes porque estas eleições, de acordo com os analistas, iriam agravar a crise que se tem vivido no Haiti. O Haiti continua neste momento tentando estabelecer uma democracia, visto que ainda não o conseguiu fazer desde que acabou a ditadura da família Duvallier. #Terrorismo