Um homem tentou invadir nesta quinta-feira, dia 7 de janeiro, uma esquadra da polícia na capital francesa. O rapaz trazia consigo uma faca na mão e também um papel que tinha a bandeira do #Estado Islâmico e quando entrou na esquadra começou gritando "Allahu Akbar", que significa 'Deus é grande' em árabe. 

Este ataque aconteceu no dia em que os ataques ao jornal satírico francês Charlie Hebdo completam um ano. O atentado terrorista tirou a vida de 12 pessoas. Dois irmãos (Chérif e Said Kouachi), armados, entraram nos escritórios do jornal francês e efetivaram vários disparos. Os motivos alegados pelos terroristas para este ataque foram as caricaturas e desenhos provocantes que o jornal francês fez relativos ao Estado Islâmico, envolvendo várias vezes também o profeta Maomé, maior símbolo da religião islâmica.

Publicidade
Publicidade

De acordo com os dados recolhidos pelas autoridades locais, o papel que o homem que invadiu a esquadra trazia na mão tinha o desenho da bandeira do Estado Islâmico, mas também tinha um texto escrito em árabe, em que se percebia claramente um ataque ao líder El-Baghdadi. 

Logo depois do homem ter entrado na esquadra da polícia, este começou logo de imediato a fazer ameaças aos policiais que lá se encontravam, tendo também ferido um dos funcionários da polícia que se encontrava naquele momento na recepção. Como o homem começou logo a atacar os agentes da polícia, estes não tiveram outra hipótese senão disparar sobre o atirador, matando o mesmo com um tiro.

As autoridades locais referiram ainda que logo no início, suspeitaram que o homem trazia consigo um cinto com explosivos. A polícia chamou de imediato as brigadas de minas e armadilhas para analisarem ao pormenor todas as roupas do homem para removerem a possível bomba que o atirador trazia.

Publicidade

No entanto, já foi divulgado que o homem trazia, de fato, um cinto de explosivos, mas era realmente falso. Na imagem do artigo, consegue-se ver os robôs da brigada de armadilhas a analisarem as roupas do homem abatido pela polícia francesa. #Terrorismo #Casos de polícia