Mais um naufrágio confirmado no mar Egeu. Desta vez, uma embarcação naufragou perto da ilha de Samos no mar Egeu provocando a morte de pelo menos 25 pessoas, incluindo 10 crianças de acordo com os dados recolhidos pela guarda-costeira que está prestando apoio às vítimas.

No entanto, de acordo com os dados recolhidos pelo site Notícias ao Minuto, ainda estão confirmadas 10 pessoas desaparecidas. Segundo esta fonte, a embarcação que naufragou tinha no total 45 pessoas. Dez destas 45 pessoas foram resgatas pelas equipes de socorro em estado choque com o naufrágio. Esta embarcação tinha partido da Turquia e tinha como destino a Grécia, já que os #Refugiados e imigrantes saem dos seus países de origem para procurarem uma vida com melhores condições no continente europeu tanto para todas as suas famílias como também para todos os seus amigos e conhecidos.

Publicidade
Publicidade

O alerta de naufrágio foi dado por um dos sobreviventes que, por pura sorte, conseguiu sobreviver, já que foi nadando até chegar à costa. Vários navios de origem grega e também pertencentes da agência europeia de fronteiras - Frontex - foram imediatamente depois de o alerta. Socorreram todas as vítimas e procederam também em todos os processos de salvamento dos imigrantes e refugiados cuja nacionalidade ainda não foi confirmada por nenhuma entidade.

A guarda-costeira já prestou declarações em que anuncia que mais de 300 refugiados e imigrantes foram ao longo do dia resgatados em vários incidentes, todos eles muito perto da ilha de Lesbos. Esta ilha é considerada por muitas pessoas como sendo o principal ponto de desembarque que é escolhido por todos os traficantes de pessoas, uma vez que se encontra muito perto da costa da Turquia.

Publicidade

Os refugiados e imigrantes têm continuado tentando fazer a arriscada passagem do mar Egeu para conseguirem chegar ao continente europeu. No entanto, o tempo tem estado muito mau e as condições são cada vez piores, o que causa de certa forma cada vez mais naufrágios nestes locais pela falta de segurança que estas milhares de pessoas têm. #União Europeia #Crise migratória